Las campañas de los pueblos solo son débiles, cuando en ellas no se alista el corazón de la mujer

Jose Martí

Se encuentra usted aquí

EH Lagunak (pt)

«Pablo Hasél declaró en la AN dejando clara su militancia comunista y que no renuncia a sus ideas»

ASEH-Lisboa - OG, 02/01/2018 - 22:34
[insurgente.org] Pablo Hasel ha dicho en la Audiencia Nacional que «medio país piensa lo mismo» y que escritoras «nada sospechosas de ir contra el Estado» lo han relatado en sus libros, como Pilar Urbano o Ana Romero. «A ver si encima voy a ser yo el culpable de que el Rey pida dinero público para irse de caza o pida dinero público para pagar el silencio de sus amantes, como Bárbara Rey. Si hay que pedir prisión para cada medio que haya contado esto, no habría cárceles», ha respondido a la Fiscalía.

Pablo Hasél: Encima voy a ser yo el culpable de que EL REY MALGASTE DINERO PÚBLICOVer: lahaine.org

«Hoy vamos a hablar de la Operación Pandora, Pandora II y la Operación Piñata...»

ASEH-Lisboa - OG, 02/01/2018 - 22:33
[De Boro LH] Lo primero que hay que recordar es que la antesala de estas operaciones se puso en marcha en noviembre de 2013 con la detención de cinco personas acusadas de poner una bomba contra la basílica del Pilar en Zaragoza. Tras esas detenciones vendrían la Operación Pandora I (16 de Diciembre 204), Piñata (30 de marzo de 2015), «Pandora II» (28 de octubre de 2015) y «Ice» (4 de noviembre de 2015). Cinco operaciones policiales basadas en los supuestos «GAC», que dieron para un total de 69 detenciones.
[...]
Hoy, continua quedando en evidencia que todas estas operaciones no fueron más que una gran falacia: acaba de ser archivada la Operación Piñata. Ha sido la propia fiscalía quién ha pedido el archivo de la causa porque la cosa no se sostenía por ningún lado.

Decenas de detenciones, estigmatización como «terroristas anarquistas», prisión preventiva, embargo de cuentas... ¿Quién va a pagar ahora todo el daño causado a las víctimas de este montaje ? ¿Quién va a asumir las responsabilidades por haber detenido a todas estas personas? (lahaine.org)

«Jerusalém é a capital da Palestina!»

ASEH-Lisboa - OG, 02/01/2018 - 22:32
Cerca de uma centena de pessoas juntaram-se frente à Embaixada de Israel em Portugal, esta quarta-feira à tarde, para «dar voz à solidariedade com a Palestina». A iniciativa ficou marcada pela denúncia reiterada da decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.
[...]
Ao recordar que, ontem, dia em que a presa Ahed Tamimi completou 17 anos, foi assassinado mais um jovem pelos israelitas – a oitava vítima mortal da repressão de Israel desde que o ano começou e o quarto jovem, menor –, o dirigente do MPPM disse que «"gangsterismo" será um termo adequado para o que se passa na Palestina, mas não suficiente».

Outra designação pertinente é «colonização» e outra ainda, «mais verdadeira, mais completa, mais total», é «genocídio», cuja definição de acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre Genocídio evocou, antes de apontar várias situações do que se passa na Palestina como exemplo desse genocídio: limpeza étnica da população palestiniana; a contínua colonização dos territórios ocupados em 1967 (desde 1993, a população de colonos mais que duplicou; são hoje mais de 600 mil); repressão brutal, violência indiscriminada, punições colectivas e tortura; perseguições e expulsão da população beduína que vive no deserto de Naqab; o cerco de Gaza, há mais de dez anos. (Abril)

«El abandono del sur de Chicago»

ASEH-Lisboa - OG, 02/01/2018 - 22:31
[De Ilka Oliva Corado] El sur de Chicago es la decadencia, es una gran urbe derrumbándose, calles deterioradas, edificios a punto de desplomarse sobre las cabezas de los inquilinos que, en su mayoría son afro descencientes y latinoamericanos indocumentados: mexicanos y centroamericanos. Mal pagados, explotados en sus trabajos, estigmatizados y acosados constantemente por la policía. (BorrokaGaraiaDa)

«Estos son los 62 tuits y la canción por la que piden casi 3 años de prisión a Pablo Hasel»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/31/2018 - 22:34
La Audiencia Nacional juzga el jueves al rapero por los delitos de enaltecimiento del terrorismo, injurias a la Corona e injurias y calumnias a las Instituciones del Estado. El músico ya fue condenado en 2014 por el Supremo por el primer delito. En caso de no poder pagar la multa, serían cinco años de cárcel. (lahaine.org)
«Han pasado ya casi tres años desde el momento en el que me detuvieron...»
[De Kaiet Prieto (eus./cas.)] Han pasado ya casi tres años desde el momento en el que me detuvieron. Como olvidar los gritos de tres encapuchados al salir de casa: «Guardia Civil, Guardia Civil, está usted detenido». Y hoy, tres años más tarde aquí me tenéis, de camino a la Audiencia Nacional. (lahaine.org)

«2018, Ano Marx (I) / Nom é a pobreza, nem a redistribuiçom… é a exploraçom!»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/31/2018 - 22:33
[De Maurício Castro] Seja qual for a avaliaçom que cada qual figer, é inegável a importáncia da teorizaçom realizada ao longo de toda a vida adulta por Karl Marx. Nom é exagero afirmar que nom dá para compreender realmente nengumha das chamadas ciências sociais sem estudar os seus contributos nessa ampla área de estudo científico.

Dito o anterior, nom há acaso na desconsideraçom generalizada com que o mundo académico trata as teses do fundador do socialismo científico. Poucas faculdades de Economia, Filosofia, Direito, Sociologia, Antropologia, História... resultantes do esquartejamento das ciências sociais, reconhecem a vigência teórica do marxismo, servindo esse desprezo explícito como confirmaçom da sua potencial ameaça até hoje. De facto, som critérios ideológicos e de classe os que marcam a orientaçom académica conservadora dos estudos superiores sobre a sociedade em todo o mundo. (Diário Liberdade)

«Governo e oposição síria chegam a amplo acordo em Sochi»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/31/2018 - 22:32
Governo e oposição sublinham o respeito pela «soberania, independência, integridade territorial e unidade» da Síria, e que só ao povo sírio cabe decidir o futuro do país, no final de um encontro realizado em Sochi (Rússia) esta segunda e terça-feira.

A declaração final foi aprovada pelos delegados ao Congresso de Diálogo Nacional Sírio, reunidos na cidade russa de Sochi «com o objectivo de pôr fim a sete anos de sofrimento» do povo sírio, procurando «chegar a uma base comum de entendimento sobre a necessidade» de acabar com a guerra no país.

No documento, com 12 pontos, defende-se, entre outros aspectos, que «só o povo sírio determinará o futuro do país», bem como «a recuperação dos Montes Golã ocupados».
[...]
Os representantes do «orgulhoso povo da Síria» – que, muito tendo penado, encontrou «forças para lutar contra o terrorismo internacional» – declaram a sua «determinação em recuperar o bem-estar e a prosperidade da pátria» e, para esse fim, concordaram em criar uma comissão constitucional. (Abril)

Inti-Illimani e Quilapayún - «El Aparecido»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/31/2018 - 22:31
Ao vivo em Santiago do Chile.

«La leyenda de los demócratas y los violentos»

ASEH-Lisboa - AT, 01/30/2018 - 22:34
[De Borroka Garaia] El Estado al igual que la violencia tampoco es abstracto. Un estado burgués tenderá siempre al imperialismo (si le dejan) mientras que uno socialista lo hará hacia el internacionalismo (si es socialista). Un Estado burgués necesita tener encadenada a la clase trabajadora que es la que le proporciona la riqueza. Es decir necesita la violencia. Un Estado socialista como fase transicional busca la eliminación de las clases y por tanto la paz.

Sin embargo, todas estas consideraciones son papel mojado cuando la realidad es recubierta por la falsedad de la apariencia y de las legitimizaciones que se proveen los estados burgueses a través de la falsa conciencia democrática mediante la cual pueden llegar a blanquear hasta el uso mas deleznable que se pueda hacer de la violencia como si fuera un fenómeno de la naturaleza ajeno a sus propios ejecutores.

De ahí que por ejemplo, en Euskal Herria próximamente serán bombardeadas las Bardenas como ejercicios militares del imperialismo, desde puertos vascos el empresariado con beneplácito institucional esté mandando armas y explosivos sin parar a escenarios donde los crímenes de guerra imperialista corren por doquier, o que tengamos desplegados múltiples cuerpos policiales/militares españoles como la ertzaintza, la policía nacional o la guardia civil con el único objetivo de hacer aplicar unas leyes que niegan el derecho de autodeterminación y encadenan a la clase trabajadora, y que todo esto sea parte de la normalidad, la democracia y la paz. Y eso sin hablar de la propia represión en sí ni de las condiciones en que unos y otros viven. En Euskal Herria solo puede armarse la burguesía y a eso lo llaman paz. (BorrokaGaraiaDa)

«Fascismo na Ucrânia ou destruição da Líbia? Não, ameaça russa!»

ASEH-Lisboa - AT, 01/30/2018 - 22:33
Na entrevista que a RTP1 transmitiu esta segunda-feira, Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, falou dos «muitos desafios complexos» com que a Aliança Atlântica se depara, mas nada do expansionismo militarista e das guerras de rapina que promove.
[…]
Apesar de ter passado uma boa parte da entrevista a falar da Rússia, no início o secretário-geral da NATO rejeitou a ideia de que a Aliança Atlântica esteja a «enfatizar a tensão com a Rússia na Europa de Leste», sublinhando que «a maior operação militar de sempre» da NATO decorre no Afeganistão. Não fez, no entanto, qualquer menção ao histórico, mais recente ou afastado, do intervencionismo dos «aliados da NATO» no país da Ásia Central. Também não se esperava que falasse de Reagan e talibans. (Abril)

«Humanizar o capitalismo?»

ASEH-Lisboa - AT, 01/30/2018 - 22:32
[De Bruno Carvalho] A manutenção do poder político e económico depende, e muito, da dominação daquilo a que o comunista italiano Antonio Gramsci chamava superestrutura. A luta pela hegemonia ocorre em todos esses espaços mas a ruptura dá-se questionando a propriedade privada dos meios de produção. Em geral, as forças que hoje tentam «modernizar» a emancipação das mulheres, da população negra e dos homossexuais fazem-no excluindo o factor económico da equação.
[…]
Corrupção, desigualdade e discriminação não são extinguíveis neste modelo de sociedade porque são pilares fundamentais do sistema político, económico, social e cultural em que vivemos. Que Obama tenha sido o primeiro presidente negro dos Estados Unidos não diminuiu o assassinato e tortura policial sobre a população negra. Que Merkel seja chanceler não desagravou a situação das mulheres alemãs. (Abril)

Nos 50 anos da ofensiva do Tet, 2 textos sobre a vitória

ASEH-Lisboa - AT, 01/30/2018 - 22:31
«A pulga venceu o elefante»
[De Anabela Fino] «Não há nada mais precioso do que a liberdade e a independência». Estas palavras, inscritas no mausoléu onde repousa o corpo do presidente Ho Chi Minh, em Hanói, simbolizam bem a saga do povo vietnamita, cuja resistência heróica aos invasores - e em particular a humilhante derrota infligida há 30 anos ao imperialismo norte-americano - continua a ser um exemplo para todos os povos do mundo. Três décadas passadas, o Vietname ainda sofre as consequências do pesado tributo pago pela liberdade e pela independência, mas é com legítimo orgulho que se vangloria de ter cumprido o vaticínio de Ho Chi Minh: «Hoje (...) são as pulgas que enfrentam os elefantes. Amanhã, será o elefante que perderá a pele». (avante.pt)

«Mujeres, fusiles y resistencias. Mujeres del Vietnam en lucha contra el Imperio americano»
Pocas veces en la Historia se nos revela de manera tan nítida el papel de las mujeres, a menudo oscurecido por la visión androcéntrica de los hechos sociales. Sin dejar de ejercer sus roles tradicionales de productoras de alimentos, madres y cuidadoras de los hijos, responsables de las tareas domésticas, cuidadoras de ancianos y enfermos..., la mujer vietnamita escribió una página mítica, legendaria, en la historia de la liberación de los pueblos al asumir también un papel como guerrillera. (blogdelviejotopo)

«Deja que me ría del estatuto de autonomía»

ASEH-Lisboa - AL, 01/29/2018 - 22:34
[De Borroka Garaia] Por mucho que se le quiera dar vueltas, en Euskal Herria ningún estatuto es ni será compatible ni con la independencia pero es que ni siquiera con la autodeterminación, ya que el hecho de ejecutarla y llevarla a cabo, por fuerza llevará a una ruptura con todo el entramado legal e institucional existente. A no ser que se piense que los estados español o francés regalan autodeterminaciones. Y la apuesta rupturista suena y sabe muy diferente al reformismo pseudo-abertzale. (BorrokaGaraiaDa)

«Só os sírios devem decidir quem é o seu presidente»

ASEH-Lisboa - AL, 01/29/2018 - 22:33
A afirmação é de Riad Tabara, membro de uma coligação pró-governamental que está a participar no Congresso de Diálogo Nacional. Com o encontro, que termina esta terça-feira na cidade russa de Sochi, os promotores pretendem fazer avançar o processo de resolução política na Síria.

«Ninguém devia interferir no processo relativo à presidência da Síria. Somos nós, sírios, que vamos decidir quem será o presidente do país», disse à imprensa Riad Tabara, membro de um partido que integra uma coligação que apoia o governo de Damasco.

Os países ocidentais – que, conjuntamente com Israel e outros países do Médio Oriente, são acusados de apoiar, financiar e treinar grupos terroristas na Síria – insistem que o presidente eleito do país árabe, Bashar al-Assad, deve ser afastado do cargo. A Turquia, co-organizadora do encontro em Sochi, também tem veiculado essa posição, enquanto a Rússia tem defendido que a escolha do chefe de Estado da Síria só diz respeito ao povo sírio. (Abril)

«O caminho para se derrotar o golpe é a luta popular»

ASEH-Lisboa - AL, 01/29/2018 - 22:32
[De PCB] A condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4, em 24 de Janeiro de 2018, realizada sem provas ou mesmo bases jurídicas consistentes, é mais um elo na série de criminalizações políticas realizadas pelo Judiciário brasileiro e direccionadas principalmente contra a esquerda, o movimento sindical e os movimentos sociais.
[…]
Este é o segundo golpe dramático contra a política de conciliação de classe. O primeiro foi o impeachment da presidente Dilma Roussef. Essa política de conciliação está claramente esgotada, como vem sendo demonstrada pelas lições da vida política brasileira recente: diante da profundidade da crise e da ofensiva da burguesia e do imperialismo para revertê-la, colocando todo o ônus na conta dos trabalhadores, não interessa mais às classes dominantes brasileiras fazer qualquer tipo de concessão às classes populares. Continuar com as ilusões de que tudo será resolvido com as eleições de 2018 é o caminho mais rápido para a desmoralização da militância e o fortalecimento dos golpistas.

A condenação de Lula muda expressivamente a conjuntura política, pois o campo lulopetista apostava todas as fichas nas eleições de 2018, caminho que agora está bloqueado por seus ex-aliados. Esse campo político tem, diante de si, o desafio de retomar a radicalização da luta e apostar na organização popular, o que coincide com os interesses da esquerda consequente e combativa, que quer de fato enfrentar as contrarreformas, derrotar Temer e construir a greve geral. (odiario.info)

Soziedad Alkoholika – «Mi rabia»

ASEH-Lisboa - AL, 01/29/2018 - 22:31
Tema do álbum Mala Sangre (2008). A banda é de Gasteiz (Araba, EH).

Jornada solidária com a Revolução Bolivariana em Bolibar

ASEH-Lisboa - L, 01/27/2018 - 22:34
A plataforma Venezuela Aurrera vai realizar no dia 4 de Março, em Bolibar (Bizkaia), uma jornada internacionalista solidária com a Revolução Bolivariana. Uma iniciativa política e festiva que não se alheia do contexto de constantes intervenções neocolonialistas, dos ataques que procuram atingir a economia e, assim, desestabilizar o país de Bolívar.

Numa nota de imprensa, a Venezuela Aurrera afirma que «não deixará de acompanhar e apoiar o povo chavista, que se agiganta frente às dificuldades e mostra que as suas convicções não mudam, por muito duras que sejam as ofensivas externas».

A jornada de «reafirmação do compromisso internacionalista com a Revolução Bolivariana» será também uma «homenagem humilde» à figura de Hugo Chávez, quando passam cinco anos sobre a sua morte. Do programa constam um acto político, um almoço popular e actuações musicais.

As organizações que integram a plataforma Venezuela Aurrera convidam a «celebrar a data» todos os «que se sentem próximos do povo venezuelano e que acreditam profundamente que a solidariedade internacionalista derrotará o imperialismo em qualquer das suas facetas, seja o Conselho da Europa, a OEA ou o Departamento de Estado dos EUA».

Os interessados em participar no almoço devem inscrever-se usando o e-mail m4bazkaria@gmail.com. Para reservar um lugar no autocarro que parte de Bilbo, é necessário escrever para m4autobusa@gmail.com. / Ver: BorrokaGaraiaDa

75 anos da vitória de Estalinegrado assinalados em Donostia

ASEH-Lisboa - L, 01/27/2018 - 22:33
No dia 2 de Fevereiro, quando passam 75 anos sobre a vitória do Exército Vermelho na Batalha de Estalinegrado, a associação Vesta de falantes de russo no País Basco promove a realização de uma exposição e de uma conferência no Centro Cultural Ernest Lluch, em Donostia.

Numa nota, a associação Vesta, que divulga a cultura russa no País Basco, afirma que 2 de Fevereiro é um dia «muito significativo», na medida em que passam três quartos de século sobre a vitória do Exército Vermelho na Batalha de Estalinegrado.

O actual contexto, marcado pela russofobia, «dá sequência ao anticomunismo de outros tempos», afirma a associação, que apela à participação de todos na homenagem que vai realizar, no dia 2 de Fevereiro, às 18h, no Centro Cultural Ernest Lluch, em Anoeta (Donostia).

A iniciativa, que irá decorrer sob o lema «Stalingrad: gure patuaren inflexio puntua» [Estalinegrado: ponto de viragem do nosso destino], conta com uma exposição, uma conferência e um debate, que irá unir os «sacrifícios de ontem» à «memória histórica de hoje». / Ver: Euskal Herria-Donbass Elkartasun Komitea

«China e Rússia, o desafio "revisionista"»

ASEH-Lisboa - L, 01/27/2018 - 22:32
[De Luís Carapinha] A China e a Rússia constituem o «desafio central» para o Pentágono de acordo com o resumo divulgado da nova Estratégia de Defesa Nacional dos EUA, a primeira actualização desde 2008. [...] Pequim é acusada de «procurar a médio prazo a hegemonia regional no Indo-Pacífico para atingir a preeminência global no futuro», enquanto Moscovo «persegue o poder de veto sobre as nações da sua periferia», opõe-se à NATO e pretende «alterar a estrutura económica e de segurança» na Europa e Médio Oriente. (avante.pt)

«Lembranças – a propósito da libertação de Auschwitz»

ASEH-Lisboa - L, 01/27/2018 - 22:31
[De Abril] Horrorizados com o que viram, os soviéticos, vindos da frente ucraniana, designaram o complexo de Auschwitz como a «Fábrica da Morte». A este propósito, são de fácil acesso as leituras que nos indicam que, na altura da libertação, havia no campo uns 7000 prisioneiros – sobreviventes de um total de, pelo menos, 1 300 000 que ali foram assassinados, entre 1940 e 1945. As mesmas fontes – comuns – nos dizem que foram poucos os que conseguiram escapar ou sobreviver às câmaras de gás, aos fornos crematórios, ao trabalho escravo, às torturas, à fome, ao frio, às doenças e às experiências macabras em que eram cobaias.

Menos habitual é encontrar registos como o de Rui Paz, em «A Libertação de Auschwitz», a lembrar-nos que, naquele complexo de três campos, «tudo era financiado pelo Deutsche Bank, cuja direcção se encontrava representada na IG FarbeBayer, empresa beneficiária do trabalho escravo e fornecedora do Zyklon B, o gás da morte com que os prisioneiros considerados inaptos para trabalhar eram asfixiados».

Não é demais recordar tal lembrança, a propósito de Auschwitz e da sua libertação. Como não vem a despropósito recordar o enorme sacrifício da União Soviética com a guerra levada a cabo pela Alemanha de Hitler (mais de 20 milhões de mortos) e o grande, decisivo contributo dado pelo Exército Vermelho para a derrota do nazi-fascismo – desde o início sujeitos a campanhas de enredo e descentramento. O capital, com seu hollywood, deslocou, quase em exclusivo, os heroísmos mais para ocidente. (Abril)

Páginas

Suscribirse a Askapena agregador: EH Lagunak (pt)
randomness