¿Será que los pobres son pobres porque su hambre nos da de comer y su desnudez nos viste?

Eduardo Galeano

Se encuentra usted aquí

EH Lagunak (pt)

Su Ta Gar - «Gudari»

ASEH-Lisboa - AL, 09/12/2016 - 22:31
São de Eibar (Gipuzkoa). Tema incluído no álbum Su Ta Gar 1987-89. [Letra / Tradução]

Centenas manifestaram-se a favor da amnistia em Donostia

ASEH-Lisboa - IG, 09/11/2016 - 22:34
Centenas de pessoas participaram esta tarde, nas ruas de Donostia, na manifestação convocada pelo Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA), sob o lema «Preso gaixoak kalera! Amnistia osoa!» [Os presos doentes para a rua! Amnistia total]. [Foto: na faixa lê-se «Os inimigos da paz são os que aceitam a paz do inimigo!»]

A mobilização partiu do Boulevard e, o princípio ao fim do trajecto, os manifestantes fizeram ouvir palavras de ordem como «Presoak kalera, amnistia osoa!» [os presos para a rua, amnistia total], «Borroka da bide bakarra!» [a luta é o único caminho], «Jo ta ke irabazi arte!» [sem descanso até à vitória] e «Preso gaixoak kalera!» [os presos doentes para a rua].

No final, um membro do MpA tomou a palavra e leu um comunicado, tendo referido que o MpA faz frente às imposições fascistas dos estados espanhol e francês, e se manifesta mesmo com as proibições de «delegadas do Governo espanhol com complexo de Caudillo». Também sublinhou que não deixam de vir para as ruas, «mesmo havendo quem convoque uma manifestação para o mesmo local e a mesma hora que o MpA, um mês e meio depois de o MpA ter convocado a sua mobilização».

Referiu-se às lutas recentes e às actuais, nas prisões e fora delas, e fez dois apelos: à participação da marcha de dia 24 à cadeia de Valence, onde estão os presos Ibon e Aletxu; e ao envolvimento do povo basco na defesa da amnistia, como resposta à opressão nacional e social.
Em defesa do repatriamento
Meia hora mais cedo, realizou-se uma manifestação, mais participada, em defesa do repatriamento dos presos políticos bascos, convocada pelos sectores afins ao Sortu. Dois porta-vozes da mobilização afirmaram, no início, que querem que se «eliminem as "rigidezes" desnecessárias para com os presos políticos deste conflito» e que «se encerre de uma vez o ciclo de confronto que o povo basco viveu em décadas anteriores».

«Este povo precisa da paz, da reconciliação, mas não se poderá concretizar se não trouxermos para casa os presos, os exilados, os deportados», sublinharam. / Ver: amnistiAskatasuna e eitb.eus

Homenageados em Iruñea os professores mortos pela direita espanhola em 1936

ASEH-Lisboa - IG, 09/11/2016 - 22:33
Na homenagem, com carácter oficial, estiveram representantes do Governo de Nafarroa, da Câmara Municipal de Iruñea e do Parlamento. Os familiares agradeceram, emocionados, este reconhecimento, que demorou 80 anos a realizar-se em virtude da conivência de anteriores governantes com a ditadura franquista.

Ontem, dia 10, a Praceta de San José, junto à antiga Escola do Magistério, em Iruñea, encheu-se de gente para assistir à homenagem oficial aos docentes que sofreram a repressão do nacionalismo espanhol na sequência do golpe militar de 1936, muitos dos quais pagaram com a vida o facto de ensinarem. A Educação foi um problema grave para a direita espanholista, há 80 anos e hoje - basta lembrar a resistência que opõe à aprendizagem do euskara ou ao ensino livre, científico, de um modo geral, invocando o seu nacionalismo de direita retrógrado e/ou as suas crenças religiosas.

O descerramento de uma placa numa das paredes da antiga Escola do Magistério pôs um ponto final à cerimónia de reconhecimento pelo trabalho das pessoas que sofreram na pele por serem agentes activos numa educação científica, de qualidade e afastada de superstições e dogmas religiosos. / Ver: ahotsa.info [com vídeo] / Fotos: ekinklik.org

«Allende vive!»

ASEH-Lisboa - IG, 09/11/2016 - 22:32
Quando foi eleito presidente do Chile, a 4 de Setembro de 1970, com 36,6 por cento dos votos à frente de uma ampla coligação de seis partidos, denominada Unidade Popular (UP) – fundada em 1969 e cuja espinha dorsal eram o Partido Socialista e o Partido Comunista do Chile –, Salvador Allende já havia percorrido o país, de «Arica a Magalhães». Entusiasta da efémera República Socialista de 1932, que durou 13 dias proclamando o objectivo de nacionalizar o cobre e o carvão; deputado e senador em diversos mandatos; ministro da Saúde do governo de Aguirre Cerda durante dois anos e meio (1939-1941); candidato às presidenciais de 1952, 1958, 1962 e 1964, Allende conhecia o Chile e os chilenos como poucos. Por onde passou, defendeu a democracia, a liberdade, o progresso e justiça social pelos quais se bateu, apoiado pelo forte e experimentado movimento operário chileno. (avante.pt via Abril de Novo Magazine)

Discurso de Salvador Allende na Univ. de GuadalajaraDiscurso proferido a 2 de Dezembro de 1972 no Auditório do Instituto de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade de Guadalajara, Jalisco (México). O auditório tem hoje o nome do mandatário chileno.

A menos de um ano do golpe Estado que, alentado pela CIA, derrubou o governo da Unidade Popular no Chile, matando o presidente Allende. Nos anos seguintes, da ditadura de Pinochet, mais de 60 mil compatriotas seus seriam mortos.

Cinco mobilizações numa nova grande Diada a favor da independência

ASEH-Lisboa - IG, 09/11/2016 - 22:31
Neste 11 de Setembro, Diada - Dia Nacional da Catalunha, centenas de milhares voltaram a reclamar a independência do país. Este ano, as mobilizações, organizadas pela ANC e a Òmnium sob o lema «A punt», realizaram-se em cinco pontos distintos do país: Barcelona, Berga, Lleida, Tarragona e Salt.

O número de manifestantes na Diada da Catalunha voltou a ser impressionante. Só em Barcelona, participaram mais de 500 mil (a Guarda Urbana referiu 540 mil). E ao fim da tarde, milhares participaram na manifestação convocada pela esquerda independentista.

Em Lleida, os organizadores calculam que tenham estado 120 mil manifestantes. Em Salt, havia umas 135 mil pessoas (número da Polícia Local). Em Berga, participaram na manifestação da Diada cerca de 60 mil pessoas, enquanto em Tarragona o número de manifestantes rondou os 110 mil. / Ver: vilaweb.cat
Ver tb: «Tot a punt per a la Diada més complexa» (llibertat.cat)
5 ciutats, 60 colles castelleres, 2.500 voluntaris, tots estan a punt per posar en marxa la mobilització pacífica més important de la història del país. La Diada de l’11 de setembre de 2016 serà la primera on allò que passi a Lleida, Berga, Salt i Tarragona serà tan important com el que passi a Barcelona.

Grande apoio ao sindicato LAB em Baiona

ASEH-Lisboa - L, 09/10/2016 - 22:34
Para apoiar o LAB, em defesa da liberdade sindical e criticando a atitude jacobina da CGT, cerca de 70 pessoas juntaram-se hoje na Bolsa de Trabalho de Baiona.

A título individual ou representando organizações sindicais, partidos, associações diversas do tecido social e económico de Iparralde, cerca de 70 pessoas reuniram-se hoje na Bolsa de Trabalho de Baiona para denunciar o ataque sindical, cultural e linguístico da CGT ao LAB.

A CGT acusou o sindicato abertzale de «discriminar os trabalhadores que não são bascos», de dar prioridade à língua basca e de levar a cabo um trabalho político em prol da libertação do País Basco.

Com base nestes pressupostos, a CGT pôs o LAB em tribunal, de forma a impedi-lo de participar nas eleições para as pequenas empresas, e, no dia 4 de Agosto, um tribunal deu-lhe razão: o LAB é um sindicato regionalista e, como tal, não se pode apresentar nas eleições da Nouvelle Region Aquitaine.

A atitude da CGT, para além de um ataque à liberdade sindical, constitui uma recusa aos princípios de respeito básico entre sindicatos, entende o LAB, sublinhando que ela tem consequências graves para os trabalhadores, na medida em que estes se vêem lesados nas suas escolhas sindicais.

O LAB chegou ao País Basco Norte há 15 anos. Desde então, tem trabalhado conjuntamente com agentes sociais e políticos. E o apoio de hoje é uma expressão disso mesmo, sublinhou o sindicato. / Ver: LAB

Ver tb: «CGT criticada por atacar o sindicato LAB no País Basco Norte» (aseh)

Foi libertado o preso basco Gotzon Amaro

ASEH-Lisboa - L, 09/10/2016 - 22:33
O preso político basco Gotzon Amaro, do bairro bilbaíno de Santutxu, foi hoje libertado, depois de ter passado oito anos na cadeia. Encontrava-se na prisão de Villanubla (Valhadolide, Espanha), onde o esperavam familiares e amigos, revelou a Etxerat.

O bilbaíno foi preso e julgado no âmbito do processo 33/01, contra as Gestoras pró-Amnistia e a Askatasuna. Foi inicialmente intimado a comparecer na Audiência Nacional espanhola em Fevereiro de 2002. Posteriormente, foi condenado a oito anos de cadeia, tendo sido encarcerado a 17 de Setembro de 2008. / Ver: uriola.eus

Familiares parados a ponta de pistola
A associação de familiares e amigos dos presos políticos bascos, Etxerat, denunciou hoje que a furgoneta que levava familiares de presos com destino a Córdova foi interceptada por agentes da Guarda Civil a ponta de pistola.

Tendo em conta a gravidade dos factos, a Etxerat vai dar uma conferência de imprensa nos próximos dias.

André Levy: «Greve prisional nos EUA contra a escravatura moderna»

ASEH-Lisboa - L, 09/10/2016 - 22:32
No 45.º aniversário do levantamento prisional em Attica, realizou-se ontem uma greve nacional de presos em mais de 24 estados dos EUA, contra comida e cuidados de saúde inadequados, condições de sobrelotação, pressão e isolamento prolongado, e o ciclo do próprio sistema criminal que cria um sistema de escravatura moderna.

Os promotores, que incluem o Support Prisoner Resistance, o Incarcerated Workers Organizing Committee, e o Free Alabama Movement, apelam ao fim da escravatura na América, alertando não só para as condições dentro das prisões, mas para todo o sistema repressivo racista e de classe, desde a ligação entre punição nas escolas e a criminalização juvenil (school to prison pipeline), ao quotidiano terror policial nas cidades, o enviesamento racial da polícia e sistema penal, a falta de apoio jurídico, as fianças proibitivas, as penas injustas, os controlos após a libertação, etc. (manifesto74)

«Livre: Fidel Castro, héros des déshérités»

ASEH-Lisboa - L, 09/10/2016 - 22:31
[Salim Lamrani] J’ai le plaisir de vous annoncer la sortie de mon nouvel ouvrage intitulé Fidel Castro, héros des déshérités aux Editions Estrella, à l’occasion du 90ème anniversaire du leader historique de la Révolution cubaine. Il s’agit d’un livre de 272 pages qui retrace le parcours politique de la plus grande figure latino-américaine du XXème siècle. L’ouvrage s’accompagne d’une sélection de dix discours fondateurs.

Ignacio Ramonet, Directeur du Monde Diplomatique en español, l’un des meilleurs connaisseurs au monde de la pensée de Fidel Castro, m’a fait l’immense honneur d’associer sa plume à mon travail en rédigeant une belle préface. (investigaction.net)

Terminou em Etxarri a greve de fome pela libertação dos presos doentes

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:34
Numa nota, o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) informou que o ex-preso Fernando Lizeaga pôs fim à greve de fome - que mantinha há 25 dias - pela libertação imediata dos presos políticos bascos com doenças graves.

No texto, o MpA agradece a Lizeaga e também aos ex-presos políticos Joxean Kortadi, Izaskun Etxeberria e Angel Erdozia, pela greve de fome por tempo indeterminado que realizaram para reivindicar a liberdade dos presos doentes.

O MpA recorda que não estiveram sozinhos nessa dura luta, pois os presos políticos na cadeia espanhola de Huelva mantém a greve de fome rotativa que iniciaram há 23 dias, havendo, para além disso «vários focos de luta acesos» tanto nas cadeias como nas ruas.

Exemplo disso é a luta de Aletxu Zobaran e Ibon Goieaskoetxea na cadeia francesa de Valence: estão há 32 dias metidos nas celas de castigo e em greve às comunicações. «As prisões continuam em luta porque a opressão dos estados se mantém vigente», sublinha o MpA.

A leitura que o MpA faz da greve de fome em Etxarri é «muito positiva»: «para lá do boicote informativo, esta luta serviu para voltar a despertar consciências e deixar a nu a mentira da situação de falsa "normalização e paz" que nos querem impor», afirma.

Em Etxarri viu-se a dignidade dos grevistas, a coragem dos manifestantes um povo solidário, comprometido e lutador, que abriu as portas de suas casas a quem fugia da violência policial. Por outro lado, também foi possível ver a face da opressão, da ocupação e da falta de liberdade, a imagem de uma terra ocupada pela Guarda Civil armada com material de guerra, sublinha.

O MpA agradece ao povo de Etxarri e saúda todas as pessoas que «de uma ou outra forma apoiaram todas estas lutas». No futuro, «a luta e a organização serão também as ferramentas mais importantes para se alcançar a amnistia total», conclui. / Ver: lahaine.org

Ver tb: «O MpA apela à participação na manifestação pela amnistia no dia das estropadak» (amnistiAskatasuna: 1 e 2)

Jornadas solidárias de Euskal Herria 2016

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:33
As «2016ko Euskal Herriko elkartasun jardunaldiak» começam hoje em Hendaia (Lapurdi) e terminam em Orereta (Gipuzkoa), no dia 24. Pelo meio, desenrolam-se em mais oito locais, com o objectivo de «denunciar e divulgar alguns casos de repressão».

Num manifesto agora publicado pelos promotores, refere-se que colectivos e indivíduos de diversas ideologias se juntaram para dar a conhecer a repressão exercida pelo Estado. Em seu entender, a unidade é fundamental para fazer frente a esta situação.

No texto, afirma-se que «o Estado espanhol, enquanto instrumento de defesa do capitalismo, exerce a repressão sobre aqueles que põem em risco os seus interesses de classe, para fazer claudicar os movimentos revolucionários».

Os promotores entendem que é necessário «fazer frente aos casos de repressão, não claudicar e continuar a lutar», porque, com o capitalismo, «a repressão sobre a classe trabalhadora não irá parar». É com base neste entendimento que promovem as jornadas, «para reforçar a solidariedade face à repressão do Estado espanhol e para mostrar que a repressão é algo de muito próximo».

Organizadores e colaboradores: 1909 Real Fans, Amnistiaren aldeko eta errepresioaren aurkako mugimendua, Beasaingo Gazte Asanblada, Gasteizko Kanpuseko Ikasle Abertzaleak, Hendaitz -Hendaiako Gazte Asanblada-, Irungo Askapena, Irungo Gazte Asanblada, Oreretako Gazte Asanblada, Oreretako Gazte Bloke Antifaxista, Urtarrilaren 27an atxilotutako internazionalisten aldeko plataforma. / Ver: BorrokaGaraiaDa [com programa]

José Goulão: «A ditadura dos governos ilegítimos»

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:32
A Fitch, um dos três principais monstros agindo globalmente segundo os interesses da agiotagem internacional sob a designação de «agências de notação de crédito», proclamou que a instauração das 35 horas semanais em Portugal e a modesta reposição de direitos sociais e laborais determinada pelo actual governo de Lisboa podem fazer com que o défice orçamental português de 2016 atinja – imagine-se! – uns estratosféricos 2,7%. Aliás, o FMI da senhora Lagarde – ela própria a contas com a justiça em França por ter enganado o Estado – tem repetido o mesmo refrão, alegando que a política social e laboral do governo de António Costa contradiz as metas do défice.

Vamos ver então o que inquieta esta frente de instituições que inventa e fabrica crises para que os especuladores possam usufruir da imparável torrente de dinheiro dos bolsos dos cidadãos contribuintes para alimentar o seu insaciável vício cleptómano. (Abril)

«Lo último sobre Venezuela», de Guillermo CIEZA (lahaine.org)
Es casi imposible entender lo que ocurre en Venezuela si se parte de prejuicios, en particular los que la asocian a los procesos de Brasil y Argentina. El haber planteado un horizonte socialista y el haber realizado algunos avances en esa dirección hace la diferencia y es lo que ha permitido un encarne popular del proyecto que le permitió sobrevivir en condiciones muy difíciles.
[...]
Por que a pesar de todas las dificultades o los horrores, como dijo una compañera el primero de setiembre, el chavismo volvió a ganarle en la calle a la oposición y ahora la derecha empieza a desesperarse porque ya descubrió que el tiempo no le juega a favor.

Bizardunak - «Oreoak»

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:31
Gente de EH que é como as «Oreos»: preta por fora, branca por dentro...
-Ya sabemos como son, Oreoak! Oreoak! / ellos saben quienes son, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Alkate abertzaleak, Oreoak! Oreoak! / que no quitan la española, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Euskal sionistak, Oreoak! Oreoak! / cocaina en vez de speed, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Los que pactaron con Aznar, Oreoak! Oreoak! / los que visten la roja, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Antitaurinos que van, Oreoak! Oreoak! / a la plaza a merendar, Euskal Herriko Oreoak!!!

Nas cadeias e nas ruas, prossegue a luta pela libertação dos presos doentes

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:34
Fernando Lizeaga está há 25 dias em greve de fome, em Etxarri Aranatz (Nafarroa), e na cadeia de Huelva os presos políticos bascos estão a dar seguimento à greve de fome rotativa pela libertação imediata dos presos doentes. Para além destas, há outras lutas em curso e estão agendadas mobilizações pela amnistia e pelo repatriamento dos presos políticos.

Em Etxarri Aranatz, Joxean Kortadi abandonou a greve de fome no domingo passado (porque o corpo não aguentava mais). Por seu lado, Fernando Lizeaga cumpre hoje o 25.º dia em jejum para reivindicar a libertação imediata dos presos com doenças graves. Na cadeia de Huelva, começa o quarto turno da greve de fome rotativa levada a cabo pelos presos, findo o período de jejum cumprido pelo preso navarro Patxi Ruiz.

Para reforçar a reivindicação da libertação imediata dos presos bascos doentes, realiza-se amanhã, em Igorre (Bizkaia), uma concentração (19h30); e no gaztetxe de Senpere (Lapurdi) realiza-se um jejum solidário nos dias 10 e 11. Ambas as iniciativas são convocadas pelo Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA).

Outras lutas
Já na cadeia francesa de Valence, Aletxu Zobaran e Ibon Goieaskoetxea estão há 31 dias em luta pela transferência para uma prisão mais próxima de Euskal Herria. Permanecem no mitard (cela de castigo) e em greve às comunicações (visitas suspensas). Para apoiar à luta de Ibon e Aletxu, o MpA agendou, para hoje, uma concentração frente ao Consulado francês em Bilbo e, para dia 24, uma marcha à prisão de Valence.

Na cadeia francesa de Fleury, terminou a luta que os seis presos políticos bascos ali encarcerados levaram por diante durante quatro meses, exigindo o seu reagrupamento. A intensa luta deu frutos no passado dia 31 de Agosto, quando viram concretizadas as suas pretensões.

Manifestações
Como já ontem noticiámos, por ocasião das estropadak (regatas de traineiras) em Donostia, no dia 11, realizam-se duas marchas: uma convocada pelo MpA, para reivindicar a amnistia, e outra pela plataforma Free them all (ou o Sortu), para reclamar o repatriamento dos presos. Ambas partem do Boulevard, às 14h00 e às 13h30, respectivamente.

Também em Donostia, no dia 15 uma marcha convocada pela rede Sare irá percorrer a cidade a partir das 17h00 reclamando a liberdade para o presos doentes, no âmbito da campanha «Salatzen dut» (denuncio). / Ver: lahaine.org

Iruñea exumará os restos dos generais fascistas Mola e Sanjurjo

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:33
Os restos mortais encontram-se numa cripta na Askatasun Plaza [Praça da Liberdade, antiga Conde Rodezno], juntamente com seis corpos também já identificados. Paco Etxeberria, antropólogo da Arantzadi, terá a missão a seu cargo, acompanhado por uma equipa de antropólogos e biólogos. Com a conivência da UPN, o local tinha-se tornado num centro de enaltecimento dos generais golpistas.

Cumprindo a Lei da Memória Histórica - algo que a UPN se recusou a fazer por diversas vezes -, a Câmara Municipal de Iruñea [Pamplona] vai exumar os restos mortais dos dois generais fascistas e golpistas, juntamente com os de seis soldados de diferentes patentes, todos eles de Nafarroa e pertencentes exclusivamente ao lado fascista.

Isto soube-se depois de uma primeira inspecção realizada no final de Agosto para verificar o estado da cripta. Os restos serão entregues aos familiares, com os quais o município já se pôs em contacto. As exumações devem realizar-se nas próximas semanas.

Declarações de Asirón e Etxeberria [Ahotsa]Ver: ahotsa-info

Defensores dos fascistas
A decisão foi anunciada a 31 de Agosto e no dia seguinte apareceram pintadas, em Iruñea e Uharte, em que o presidente da Câmara de Iruñea, Joseba Asirón, era visado: «Asirón, atrévete con los vivos». Pelos vistos, a extrema-direita aceitou mal a decisão de exumar os restos dos generais fascistas. / Ver: SareAntifaxista

15 anos depois, memória de Abu Ali Mustafa

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:32
[Texto em euskara e fotos: Ibai Trebiño] Por ocasião do 15.º aniversário do assassinato de Abu Ali Mustafa, líder da Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP), centenas de palestinianos vieram para as ruas do campo de refugiados de Bdawai, perto da cidade libanesa de Trípoli, e prestaram-lhe uma homenagem.

A FPLP, de orientação marxista-leninista, foi fundada em 1967 por George Habash. Em 2000, Abu Ali Mustafa foi nomeado secretário-geral da organização. No ano seguinte, a 26 de Agosto, helicópteros da Força Aérea israelita disparam dois mísseis contra o seu escritório, em Ramallah, matando-o.

15 anos volvidos, os palestinianos mostraram que a sua memória continua viva. / Ver: argia

Jorge Cadima: «Propaganda de guerra»

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:31
A propaganda bélica é feita de mentiras bem publicitadas. Muitos lembrar-se-ão da campanha em 2014 sobre uma alegada violação de águas territoriais suecas por um «submarino russo». Poucos saberão que no início deste Verão, o ministro da Defesa sueco confessou que «o sinal de sonar, que os militares suecos consideraram o indício crucial da presença dum submarino estrangeiro perto de Estocolmo durante as buscas de 2014, era proveniente dum 'objecto sueco'» (RT, 12.6.16). A campanha serviu no entanto para «justificar um aumento de muitos milhões de dólares nas despesas militares» e para promover a adesão da Suécia à NATO. (avante.pt)

«Os índios da Pradaria», de Rui SILVA (manifesto74)
Em 1890 dá-se o tristemente célebre massacre de Wounded Knee, na reserva de Pine Ridge (Dacota do Sul), no qual foram mortos centenas de índios, incluindo mulheres e crianças. Depois de várias guerras, traições, promessas quebradas e imposição da fome e do sangue, as autoridades federais obtiveram por fim domínio sobre a Nação Lakota, que em todo o caso é coisa diferente de se dizer que os Lakota foram submetidos à vontade dos seus colonizadores.

[...]
A luta dos Lakota contra o Dakota Access Pipeline tem sido intensa, violenta e olimpicamente ignorada pela imprensa norte-americana e internacional. É precisamente por isso que deste espaço lanço aos índios da pradaria o meu grito de solidariedade e apoio à defesa da sua cultura, das suas terras, memória, identidade e forma de vida. Porque a luta dos Lakota pode não fazer parte dos espaços de entretenimento-informativo a que chamamos «telejornais» (e afins), mas não pode deixar de receber, nos espaços de comunicação livres dos «critérios editoriais» do sistema, o apoio e a divulgação merecida.

Manifestações pela amnistia e pelo repatriamento nas regatas de Donostia

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:34
O próximo domingo é dia grande na capital guipuscoana para as regatas [estropadak] das traineiras: disputa-se a segunda jornada da Kontxako Bandera [Bandeira da Concha] e muitos milhares vão juntar-se em redor da baía para assistir. É neste contexto que o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) vai realizar uma manifestação em defesa da amnistia.

A mobilização, com o lema «Geurea da garaipena! Amnistia!», parte às 14h00 do Boulevard donostiarra.

Para o mesmo dia e o mesmo local, mas meia hora mais cedo, a plataforma Free them all convocou uma mobilização para exigir o repatriamento dos presos bascos, sob o lema «Amnistiaren norabidean preso eta iheslariak etxera».

Leitura:
«¿Qué sucede durante una huelga de hambre?», de Borroka Garaia (BorrokaGaraiaDa)
El ex-preso político Fernando Lizeaga hoy cumple 24 días en huelga de hambre indefinida en la localidad de Etxarri Aranatz por la liberación de los presos políticos con enfermedades graves. En el 2016, en Euskal Herria, todavía hay gente que pone en peligro su vida por la libertad de su país y de sus presos y presas. Fernando Lizeaga es una de ellas. Una llamada a Euskal Herria para recoger el testigo y que todos y todas demos algo para que unos pocos y pocas no lo den todo.

TC não aceitou apreciar recurso de Otegi, impedindo-o de se candidatar

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:33
O Tribunal Constitucional espanhol decidiu por unanimidade, ontem, não apreciar o recurso de amparo apresentado por Arnaldo Otegi; na prática, isto significa que Otegi fica definitivamente impedido de se apresentar às próximas eleições como candidato a lehendakari pelo EH Bildu.

O tribunal, que podia decidir até à meia-noite de quinta-feira (antes do início da campanha eleitoral para o Parlamento de Gasteiz), reuniu-se ontem à tarde para estudar este e outros recursos apresentados na Junta Eleitoral. Os cinco magistrados demoraram pouco mais de uma hora a tomar a decisão. Não aceitam apreciar o recurso por considerarem que não existe «violação de um direito fundamental».

Com esta decisão, o dirigente independentista não pode ser candidato às eleições de 25 de Setembro. Embora possa recorrer ainda para o Tribunal de Estrasburgo, este pode levar anos a pronunciar-se. / Mais info: naiz e Berria

Ver tb: «El TC cierra el paso a Otegi evitando incluso tener que argumentarlo» (Gara)

Libertado na sexta-feira, Eneko Etxaburu foi recebido por centenas em Ondarru

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:32
O ondarroarra foi detido pela Polícia espanhola no âmbito das operações levadas a cabo em 2008 contra a juventude independentista. Foi libertado no passado dia 1, depois de cumprir seis anos de pena, e, ao final da tarde, foi recebido por centenas de pessoas na sua terra natal.
Em 2008, a Polícia espanhola prendeu oito jovens da comarca biscainha de Lea-Artibai, por ordem do infame Grande-Marlaska, do tribunal de excepção espanhol.
Esta operação foi uma de cinco que tiveram lugar em poucos meses contra os jovens da Segi, depois das ocorridas em Donostia, Getxo (Bizkaia), Gasteiz e Burlata (Nafarroa). Etxaburu, tal como os demais detidos, afirmou ter sido duramente torturado.
Cumpriu seis anos de pena e, na sexta-feira, saiu da cadeia de Logroño. Ao fim da tarde, por volta das 20h00, Eneko recebeu um enorme ongi etorri [Ondarru style].
A Alde Zaharra era um mar de gente, que o aplaudiu, lhe deu presentes, lhe cantou bertsos, músicas. As fontes que o Turrune! reuniu são bem elucidativas. / Ver: topatu.eus / FOTOS: Enekori ongietorria (Turrune)

Páginas

Suscribirse a Askapena agregador: EH Lagunak (pt)