Tengo dos pueblos para amar y un mundo por el que luchar

Pakito Arriaran

Se encuentra usted aquí

EH Lagunak (pt)

Adiada para 25 de Fevereiro decisão sobre liberdade de Lorentxa Gimon

ASEH-Lisboa - OG, 01/14/2016 - 22:34
Numa audiência hoje realizada em Paris sobre a concessão de liberdade condicional à presa política basca Lorentxa Gimon, que tem a doença de Crohn, o tribunal adiou a decisão para 25 de Fevereiro. A advogada de defesa sublinhou que o Ministério Público (MP) nem sequer se referiu ao estado de saúde da presa e que ainda impôs condições de chantagem.

Maritxu Paulus Basurco mostrou-se bastante preocupada com este prolongamento do encarceramento da presa, que tem a doença de Crohn desde 1991 e cuja condição clínica se tem vindo a agravar, e afirmou que o representante do MP mantém a mesma atitude. A 24 de Novembro, um tribunal francês concedeu a liberdade condicional à natural de Angelu (Lapurdi), mas o MP recorreu de imediato, e o caso devia ter ficado decidido hoje.

Concentração solidária em Rennes
No dia 9, quando em Baiona e Bilbo se realizaram grandes manifestações solidárias com os presos políticos bascos, o Comité Solidário com Euskal Herria na Bretanha (Euskal Herriaren Lagunak Breizh) levou a cabo uma concentração frente à cadeia de Rennes, onde está encarcerada Lorentxa Gimon. Na iniciativa, a que aderiram diversos partidos, organizações, eleitos e sindicatos bretões, exigiu-se libertação da presa basca.

Ontem, teve lugar uma concentração frente à escola onde estuda a filha de Lorentxa, em Ziburu (Lapurdi); hoje, estava agendada uma outra em Angelu, sua terra natal. / Ver: Berria, kazeta.eus, askapena.org e aseh

«Tercer grado vs. Amnistía» [eus / cas]

ASEH-Lisboa - OG, 01/14/2016 - 22:33
[De Ziortza Fernández Larrazabal e Sendoa Jurado García (militantes pró-amnistia e ex-presos políticos)] Que nadie piense, por tanto, que aceptando la legalidad podemos superar las consecuencias del conflicto a corto plazo porque, simplemente, esa afirmación es falsa. Aun aceptando la legalidad, en Algeciras, en Madrid o en Zaballa, pero tenemos pres@s polític@s para largo y mientras exista la amenaza de la cárcel también huid@s.
[...]
No es legítimo tapar con el culo la silla de las salidas individuales y poner los pies sobre la silla de la amnistía para que nadie más la ocupe. No es legítimo utilizar los procesos de otros pueblos para marginar la reivindicación de la amnistía (cuando, aceptando que la amnistía de Colombia es parcial, aplicándola aquí en cuatro años no quedarían pres@s polític@s). Y no es legítimo esconder las victorias que, además de a largo plazo, puede traer la amnistía también a corto. Será con la amnistía o no será. / LER: lahaine.org

Apresentação em Madrid de «La década ganada en América Latina»

ASEH-Lisboa - OG, 01/14/2016 - 22:32
Por iniciativa da Coordinadora de Solidaridad con Cuba (Madrid), o Colectivo 26 de Julio e a Plataforma Bolivariana de Solidaridad con Venezuela de Madrid, realiza-se amanhã, sexta-feira, pelas 20h00, no bairro de Lavapiés (Madrid), a apresentação do livro La década ganada en América Latina. Una mirada analítica a las luchas populares.

A sessão contará com a presença de Unai Vázquez, coordenador da obra e militante da Askapena, bem como de representantes das embaixadas de Cuba e da Venezuela. / Ver: askapena.org

«O levante dos secundaristas em São Paulo: a juventude aponta os rumos da luta popular»

ASEH-Lisboa - OG, 01/14/2016 - 22:31
[De Edmilson Costa] A luta dos estudantes secundaristas de São Paulo, comandada por adolescentes, significou uma grande vitória para o movimento social, porque pela primeira vez um movimento derrota de maneira clara a truculência de um governo neoliberal. Os jovens também derrotaram o governo em 2013, mas essa foi uma luta nacional, que envolveu cerca de 600 cidades. A luta dos secundaristas foi uma queda de braço entre um governo arbitrário e os estudantes, na qual eles venceram com galhardia. Essa jornada aponta também o rumo da luta popular no País, pois demonstrou que a organização, a combatividade e a luta, em aliança com a população, é o único caminho para se conquistar as reivindicações populares. (resistir.info)

«Gestión Macri: Despidos y estigmatización del empleo público», de Diego LEONOFF (Resumen Latinoamericano)
En tan sólo 15 días hábiles de gestión, el Gobierno del ingeniero Mauricio Macri llevó adelante una ola de despidos en el Estado que hasta el momento dejó en la calle a cerca de 10.000 trabajadores. Con pretextos como la búsqueda de eficiencia y «despolitizar» la administración pública, el ajuste viene acompañado de una estigmatización del empleo público y tiene como objetivo final el desmantelamiento de servicios públicos y políticas de Estado. El mensaje a los privados: «vía libre» para cesantías.

«Libia, el plan de conquista», de Manlio DINUCCI (redroja.net)
Los dirigentes occidentales nos habían asegurado que la operación militar que emprendían contra la Yamahiria Árabe Libia no apuntaba a apoderarse de las reservas de petróleo del país ni a dividirlo en tres partes sino que se trataba de proteger a la población civil de la amenaza del dictador. Después de una guerra que provocó en Libia más de 120 000 muertes, ahora están iniciando la segunda fase de aquella operación. Y esta vez nos dirán que hay que proteger a la población civil contra el Emirato Islámico, cuando en realidad se trata de tomar posesión de los yacimientos de petróleo.

Militantes julgados no processo 04/08 aceitam acusações e evitam a prisão

ASEH-Lisboa - AZ, 01/13/2016 - 22:34
A Audiência Nacional espanhola condenou os 35 militantes independentistas julgados no processo 04/08 a penas que vão dos 18 meses aos dois anos de cadeia. A condenação foi decretada na sequência de um acordo alcançado entre as partes e implica que nenhum dos réus no julgamento contra Batasuna, EHAK e ANV tenha de cumprir pena na prisão.

Inicialmente, o Ministério Público pedia dez anos de cadeia para cada um. O processo político, que resulta da operação de Segura, em Setembro de 2007, em que foram presos 23 militantes independentistas, é um dos vários processos abertos sob a tese do «tudo é ETA» e está directamente relacionado com a ofensiva lançada pelo Estado espanhol após o fracasso das negociações entre 2004 e 2006.

No acordo, os réus aceitam as acusações e admitem que agiram «contra o código penal». À saída, Pernando Barrena, porta-voz do Sortu, mostrou-se contente pelo facto de nenhum dos militantes independentistas serem encarcerados e disse esperar que o acordo sirva como instrumento para desactivar as políticas de excepção.

Por seu lado, Antxon Gomez, da EAE-ANV, manifestou a sua satisfação pelo facto de se ter conseguido impedir a existência de mais 35 presos políticos, mas sublinhou que as leis de excepção continuam vigentes. / Ver: Berria e naiz

Duas concentrações em Barakaldo na sequência de acidente laboral mortal

ASEH-Lisboa - AZ, 01/13/2016 - 22:33
Hoje de manhã, os sindicatos LAB, ELA, ESK, STEE-EILAS, EHNE e HIRU realizaram uma concentração de protesto, em Barakaldo (Bizkaia), na sequência do acidente laboral mortal ocorrido nesta localidade na segunda-feira, 11. Trata-se do segundo acidente mortal do ano em Euskal Herria, depois de, no dia 7, um trabalhador do sector florestal ter falecido em Otxandio. Para os sindicatos, a falta de prevenção e a precariedade laboral são as grandes causas que motivam estes acidentes.

Colectivos e sindicatos, ontem
Uma outra concentração, convocada por agentes sociais e sindicatos, teve lugar ontem ao fim da tarde na Bide Onera plaza, em Barakaldo, sob o lema «Prekarietateak hil egiten du, lan istripurik ez!» [a precariedade mata, não aos acidentes de trabalho], em alusão ao que vitimou, na segunda-feira, o operário M. L. C., de 55 anos.

Na ocasião denunciou-se a subcontratação e a precariedade laboral, e afirmou-se que, no sector da construção civil, a sinistralidade é ainda elevada, sem que sejam tomadas medidas, pelas empresas e instituições, com vista à sua diminuição. Estes dados são confirmados pelo Osalan [Instituto Basco para a Segurança e Saúde Laborais], de acordo com o qual o sector da construção é aquele que regista uma maior sinistralidade: 71,5 acidentes por 1000 trabalhadores. / Ver: LAB

Marat: «2016: Viviremos un año interesante»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/13/2016 - 22:32
Lo preocupante desde una perspectiva de clase, desde un punto de vista comunista no es qué porquerías nos están vendiendo hoy los reformistas prosistema como los Garzón, Tsipras, Iglesias o Varoufakis, ni las que nos vendieron ayer los Fabio Gándara o los Jon Aguirre, a quienes ya nadie recuerda porque el sistema usa y tira a sus títeres cuando ya no les necesita. Lo preocupante de verdad, para poder combatirlo de nuevo, porque el sistema buscará evitar que surja una confrontación desde la base de la contradicción trabajo-capital, es qué nueva mercancía ideológica intentará colocarnos, ahora que la siguiente fase de la crisis capitalista puede ser aún más cruenta para los oprimidos, sobre qué ejes estructurará la bazofia de su neolenguaje político para desmontarlo.
[...]
Conviene tener claro que nada que merezca ser defendido podrá serlo sin lucha y sacrificio personales en la protesta y, por supuesto, muy lejos del circo parlamentario. (lahaine.org)

«Aviación saudí bombardea hospitales en Yemen» (Resumen Medio Oriente)
La barbarie saudí prosigue en Yemen, donde los aviones saudíes continúan atacando hospitales. (…) Según el canal de información árabe Al Mayadin, cazas saudíes bombardearon el hospital de Razah, situado en la provincia de Saada, que pertenece a la organización Médicos Sin Fronteras. Al menos cinco enfermos hospitalizados en dicho centro perdieron la vida y otros diez resultaron heridos.

«O governo dos EUA é a mais completa organização criminosa da História da humanidade», de Paul CRAIG ROBERTS (resistir.info)
Único entre os países da Terra, o governo dos EUA insisite em que as suas leis e ditames têem prioridade sobre a soberania das nações. Washington assevera o poder de tribunais estado-unidenses sobre estrangeiros e reclama jurisdição extra-territorial de tribunais dos EUA em relação a actividades estrangeiras que Washington ou grupos de interesses americanos desaprovam. [Ver tb: «State of the Union: Obama’s Real Legacy One of ‘Perpetual War’» (sputniknews)]

Kortatu – «Sospechosos»

ASEH-Lisboa - AZ, 01/13/2016 - 22:31
Tema do álbum Kortatu (1985). A banda é de Irun (Gipuzkoa). [Letra]

Imputados 19 dos 22 militantes abertzales que depuseram na AN

ASEH-Lisboa - AT, 01/12/2016 - 22:34
Dos 27 militantes independentistas investigados por colaboração com o Batasuna pelo tribunal de excepção espanhol, 22 depuseram em Madrid entre ontem e hoje. Todos saíram em liberdade, com acusações, à excepção de Hodei Egaña, Imanol Nieto e Eli Zubiaga, que foram ilibados do processo por ordem do juiz de instrução.

Ontem, depuseram nove militantes bascos: Urko Aiartza, Martxelo Álvarez, Gorka Elejabarrieta, Jon Andoni Lekue, Mikel Aznar, Gregorio Jiménez, Eli Zubiaga, Gotzon Amaro e Idoia Aiastui. Também eram para depor Jean-Claude Agerre, Xabi Larralde, Zigor Goeaskoetxea, Giuliano Cavaterra e Patricia Martinon, mas não foram notificados a tempo.

Hoje, depuseram mais 13 imputados: Ainhoa Landaberea, Nerea Goikoetxea, Eider Imaz, Asier Coloma, Miguel Lejarza, Arkaitz Rodriguez, Iñaki Intxusta, Joseba Ilzarbe, Asier Altuna, Fernando Gaztelu e Juan Carlos Tapia, que saíram em liberdade, mas viram confirmadas as acusações de «colaboração» por terem recebido dinheiro do EHAK [Partido Comunista das Terras Bascas], que, argumentam, se justificava pelo seu trabalho com a força abertzale.

O caso baseia-se num processo separado do sumário 04/08, no âmbito do qual 35 militantes independentistas estão a ser julgados nesta altura no tribunal de excepção espanhol. Este acusa os militantes bascos de terem recebido verbas do EHAK, no final de 2007, antes da sua ilegalização, no contexto de um plano para «reembolsar» o Batasuna, que é equiparado a «organização terrorista». Os visados, rejeitaram as acusações e denunciaram o carácter «político» da operação. / Ver: naiz e Berria

Ver tb: «Novo processo judicial contra 27 militantes da esquerda abertzale» (aseh)

Dia 13 de Fevereiro, festival Aztnugal Rock em Iruñerria

ASEH-Lisboa - AT, 01/12/2016 - 22:33
Em Abril, decorre o julgamento de cinco navarros acusados de ser membros do Ekin. A realização do festival Aztnugal Rock, em Iruñerria [comarca de Pamplona], tem como propósito juntar dinheiro para fazer frente às custas do processo. A data – 13 de Fevereiro – não foi escolhida ao acaso, pois é o Dia contra a Tortura.

O julgamento de Jon Patxi Arratibel, Iñigo Gonzalez, Gorka Mayo, Iker Moreno e Gorka Zabala realiza-se na Audiência Nacional espanhola de 14 a 21 de Abril. Em Janeiro de 2011, foram detidos por ordem do juiz Fernando Grande-Marlasca, torturados pela Guarda Civil e encarcerados, sendo acusados de pertencer ao Ekin. Recentemente, souberam que o Ministério Público pede oito anos de cadeia para cada um.

Em Novembro, lançaram a campanha Aztnugal, mediante a qual querem divulgar o seu caso. «Aztnugal» é «laguntza» [ajuda] ao contrário e foi a assinatura que Jon Patxi Arratibel usou no depoimento – para pedir ajuda, esperando que alguém pudesse notar a tortura a que estava a ser submetido. Em Maio deste ano, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado espanhol por não ter investigado as suas denúncias de tortura. / Ver: topatu.eus / Mais info: aztnugal.org e aztnugal.org

«Tres activistas kurdas asesinadas por la policía en Turquía»

ASEH-Lisboa - AT, 01/12/2016 - 22:32
Tres activistas políticas kurdas, Seve Demir, Pakize Nayir y Fatma Uyar, fueron asesinadas por la policía turca este lunes, 4, por la noche, junto a otra persona en el distrito de Silopi, cuando las fuerzas policiales abrieron fuego intenso durante horas sobre la población en el barrio de Karsiyaka en Silopi.

Las tres eran reconocidas activistas políticas kurdas. Seve Demir era integrante del Parlamento por el Partido DBP, Pakize Nayir de la Asamblea del Pueblo de Silopi, y Fatma Uyar activista del Congreso de las mujeres (KJA). (redroja.net)

«La mayoría de los palestinos detenidos en 2015 en Jerusalén eran menores» (Resumen Medio Oriente)
Riyad Al Ashqar, del Centro de Estudios de Prisioneros Palestinos, dijo en un comunicado difundido por la agencia Maan que cerca de dos tercios de los arrestados en la zona ocupada de Jerusalén tenían menos de 18 años, de los que 65 estuvieron bajo arresto domiciliario.

El activista criticó a Israel por el uso de estas detenciones para palestinos menores de 14 años, convirtiendo la residencia familiar en una «prisión» y a la familia en «carceleros».

«Alarme na Venezuela» (PCB)
Comunicado da Força Armada Nacional Bolivariana em desagravo ao ultraje da memória do libertador Simón Bolivar, à memória do comandante supremo Hugo Chávez, ao presidente constitucional da República como personificação do Estado e Comandante da Força Armada Nacional Bolivariana e à honra militar

Convocam manifestaçom contra a ilegalizaçom de facto de Causa Galiza

ASEH-Lisboa - AT, 01/12/2016 - 22:31
Numerosas entidades sociais e políticas galegas confluem na convocatória, apresentada neste sábado em Compostela. Quase trinta coletivos sociais, sindicais, juvenis, políticos, culturais e antirrepressivos aderírom à convocatória que vai denunciar em manifestaçom no dia 24 de janeiro a Operaçom Jaro, que levou à ilegalizaçom de facto da organizaçom independentista Causa Galiza.

No passado dia 30 de outubro, nove pessoas fôrom detidas sob acusaçom de fazerem parte de Causa Galiza, misturando-as sem qualquer prova com a suposta organizaçom armada 'Resistência Galega'.

Todas elas ficárom em liberdade à espera de acusaçons que se mantenhem, mas a organizaçom política Causa Galiza ficou numha situaçom de impossibilidade de desenvolvimento de atividade política, numha ilegalizaçom de facto que se denuncia na convocatória. / Mais info: Diário Liberdade

2016: dois trabalhadores mortos em acidentes laborais em EH

ASEH-Lisboa - AL, 01/11/2016 - 22:34
Um operário da localidade biscainha de Balmaseda faleceu esta manhã em Barakaldo (Bizkaia), depois de cair de uma altura de cinco andares, quando trabalhava num andaime montado na Gaudi kalea. Trata-se do segundo acidente laboral mortal no País Basco em 2016, depois de, na quinta-feira, um trabalhador do sector florestal-madeireiro ter falecido em Otxandio (Bizkaia).

Hoje, os sindicatos LAB, ELA, ESK, STEE-EILAS, EHNE e Hiru promoveram uma concentração em Otxandio para denunciar a precariedade laboral e denunciar a falta de prevenção contra os acidentes laborais no sector florestal. Os mesmos sindicatos agendaram duas concentrações para Barakaldo para amanhã (19h30) e quarta-feira (11h30), igualmente para denunciar a precariedade e a falta de prevenção.

Lista negra de 2015
No que diz respeito a acidentes laborais mortais no País Basco, o ano de 2015 deixou números preocupantes. O sindicato LAB refere 54 mortes no local de trabalho, o que, segundo refere o Berria, trava a tendência para a diminuição do número de mortes em acidentes laborais verificado nos últimos dois anos: 35 em 2013 e 2014. Em todo o caso, os números de 2015 ficam longe dos registados há alguns anos: 125 em 2007 e 112 em 2008.

Mais de mil pessoas reivindicaram a amnistia em Bilbo [fotos]

ASEH-Lisboa - AL, 01/11/2016 - 22:33
No sábado, dia 9, depois da manifestação em Bilbo contra a dispersão dos presos políticos bascos convocada pela Sare, mais de mil pessoas reivindicaram a amnistia nas ruas da Alde Zaharra [Parte Velha] bilbaína. / Ver: lahaine.org
    

Andoni Baserrigorri: «Euskal Herria. Umha visom comunista e independentista»

ASEH-Lisboa - AL, 01/11/2016 - 22:32
Perante isto quê? Reagir. O primeiro ser conscientes da situaçom em que estamos e ser sinceros com nós próprios e reconhecer a derrota que sofremos. Nom devemos ser compracentes com nada nem com ninguém e falar com toda a franqueza desta situaçom. Ainda que olhem mal para nós, nos assinalem com o dedo e nos chamem «nostálgicos da Stasi» dizer pam, pam, queijo, queijo e o reformista, reformista. Ser exemplo de honestidade e trabalho. Militar no que for, existem ainda campos de trabalho onde fazê-lo, no internacionalismo no sindicalismo, até coletivos de base. E organizar-se. As e os comunistas sempre tivemos que nos organizar para levar adiante as nossas luitas. (Diário Liberdade) [em castelhano: «Euskal Herria. Una visión comunista e independentista» (lahaine.org)]

«No hay derecho a decidir», de Borroka Garaia (BorrokaGaraiaDa)
El «derecho a decidir» como concepto político sustitutivo de autodeterminación lo inventó el PNV en la era Ibarretxe. [...]
Las razones de ese cambio promovido por el PNV ya han sido explicadas en su día en libros y declaraciones del propio jeltzalismo pese a ser hoy olvidadas. Las razones oficiales de los think tank del PNV fueron: 1. La necesidad de arrebatar y sublimar el término de autodeterminación a la izquierda abertzale. 2. Debido a que la «autodeterminación» está supuestamente asociada a ETA, la necesidad de otro término. Las razones no oficiales: el intento de impulso de un nuevo estatuto de autonomía que sea «libremente decidido» sin aplicar ningún tipo de autodeterminación que pueda abrir opciones a la independencia, pero a la vez manteniendo el discurso abstracto del «derecho a decidir» a modo de enganche

Alberto Cruz: «As movimentações de China e Rússia após a reforma do FMI: acelerar a desdolarização»

ASEH-Lisboa - AL, 01/11/2016 - 22:31
A correlação de forças no plano da economia mundial continua a alterar-se em desfavor dos EUA e da UE. Os EUA tudo têm feito para que essa alteração não se reflicta em instituições internacionais que têm funcionando como instrumentos da sua dominação, nomeadamente o FMI. Mas outras potências económicas estão a caminho de não apenas prescindir do FMI, mas de prescindir do dólar como moeda de intercâmbio comercial e de crédito. (odiario.info)

Programa «La Memoria»: Nomes, memória, imagens

ASEH-Lisboa - IG, 01/10/2016 - 22:34
A primeira edição de 2016 do «La Memoria» começa por evocar a existência e as características do TOP - Tribunal de Orden Público, uma instância do fascismo espanhol suprimida a 4 de Janeiro de 1977 e que fora instituída em Dezembro de 1963. Hoje, existe outro tribunal de excepção, a Audiência Nacional espanhola.

Outro elemento de destaque neste programa é a entrevista ao fotógrafo navarro Joseba Zabalza, natural de Iruñea, bem conhecido pelos seus projectos com conteúdo social, nomeadamente o «Gogoan hartzeko izenak / Nombres para recordar». Imagens para a memória, memória feita imagem. A não perder, na Info7 irratia [Aupa Martxelo!]

Conferência em Santurtzi: «Ukraina eta Donbasseko egoera»

ASEH-Lisboa - IG, 01/10/2016 - 22:33
O gaztetxe La Kelo, em Santurtzi (Bizkaia), acolhe no dia 15 (19h00) uma conferência sobre a situação no Donbass e na Ucrânia.

A iniciativa, promovida pela Ezkerraldea Antifaxista e pelo EH-Donbass Elkartasun Komitea, conta com a participação de Jon Kortazar, historiador e membro do comité EH-Donbass, que irá falar sobre o que se está a passar nesta parte da Europa. / Ver: SareAntifaxista

Manlio Dinucci: «Ucrania: ¡Heil mein OTAN!»

ASEH-Lisboa - IG, 01/10/2016 - 22:32
La Ucrania del régimen de Kiev se ha convertido así en el «vivero» del nazismo que hoy renace en pleno corazón de Europa. Neonazis provenientes de toda Europa (incluyendo Italia) y de EEUU llegan a Kiev, reclutados principalmente por Pravy Sektor y por el batallón Azov, cuya ideología nazi se expresa claramente en el emblema que utiliza, calcado del emblema de la división SS Das Reich. (lahaine.org)

«Argentina, Venezuela y la lucha de clases», de Ángel GUERRA CABRERA (La Jornada via lahaine.org)
Quienes vaticinan el fin del llamado ciclo progresista en América Latina y el Caribe (ALC) pierden de vista que el caldo en que se cuece la política es, irremediablemente, la lucha de clases. Con sus flujos y reflujos, marchas y contramarchas.

EH Sukarra - «Argi ibili»

ASEH-Lisboa - IG, 01/10/2016 - 22:31
A banda é de Eibar (Gipuzkoa). O tema faz parte do álbum EH Sukarra (1992). [Letra / tradução]

Páginas

Suscribirse a Askapena agregador: EH Lagunak (pt)