Zatozte borrokara eta bat egin bataila luze honetan litekeen kausarik zintzoenaren alde: gizon-emakumeen askapena

Bob Dyle

Hemen zaude

EH Lagunak (pt)

Programa actualizado da jornada solidária com os presos políticos bascos

ASEH-Lisboa - OG, 04/24/2014 - 23:35
Este sábado, 26, em Lisboa e Linda-a-Velha. ANDONI ASKATU!
PROGRAMA (actualizado)
11h00-13h00: Concentração na Praça do Rossio (Lisboa)

14h00: Almoço aberto a todos na Academia Recrativa de Linda-a-Velha (Feijoada à Transmontana)

17h00: Concertos com o contributo de 3,50€ na Academia Recreativa de Linda-a-Velha com as bandas: Sermond's (País Basco) / Kilauea (País Basco) /Hezbo MC e LBC (Portugal) / Zipperness (Portugal) / Cegonhas (Portugal)

Hezbo MC - «Rap di protesto»Mais informação sobre a iniciativa: aseh

No sábado, manifestação contra a presença da Guarda Civil em Lekunberri

ASEH-Lisboa - OG, 04/24/2014 - 23:34
O movimento popular Alde Hemendik convocou uma manifestação para este sábado, 26, na localidade navarra de Lekunberri, para protestar contra «o acosso a que a gente da terra é submetida» pelos militares («os controlos ou as multas sem sentido» são exemplos disso). A marcha parte às 17h30 da Herriko Plaza e tem como lema «Bakean bizi nahi dugulako, utz gaitzazue bakean!» [Porque queremos viver em paz, deixem-nos em paz!].

Os convocantes afirmam que, nos últimos tempos, a forma de agir dos militares «tem endurecido bastante» e perguntam: «Para quê esta repressão agora?». «São apontados motivos económicos, mas nós sabemos que não é só isso, e que também há razões de ordem política», dizem. «Não é por acaso que estão a assumir uma atitude agressiva também noutras terras navarras (como Leitza, Gares ou Lizarra)».

De acordo com a nota que emitiram, no dia 19, quando estavam a anunciar a convocatória, duas pessoas foram identificadas por mostrarem uma faixa. «Queremos denunciar a atitude deles, e pedir-lhes que se vão embora da nossa terra. Porque, no actual contexto político e económico que vivemos, não faz sentido sustentar este modelo de polícias e militares». / Ver: ahotsa.info e lahaine.org

Bakean bizi nahi dugulako, utz gaitzazue bakean!
Porque queremos viver em paz, deixem-nos em paz!
Ez zaituztegu nahi eta ez zaituztegu behar!
Não vos queremos e não precisamos de vocês!

«Carta de las presas políticas vascas desde Fleury»

ASEH-Lisboa - OG, 04/24/2014 - 23:33
[Carta das presas políticas bascas encarceradas na cadeia de Fleury, em Paris.]
Los estados español y francés buscan debilitarnos, hacernos daño, y para ello siguen una estrategia encarnizada y brutal: Aislamiento, alargamiento de penas, negación de libertad para las presas en fin de pena o gravemente enfermas, chantaje para obtener la libertad condicional, vejaciones, palizas, etc. [...]
Vista la situación, hemos decidido hacerles frente e iniciar una dinámica de lucha con el objetivo de conseguir los mínimos por el bien de esta cohabitación forzada.
Saludos calurosos a todas y todos los que luchan y resisten en prisión! (boltxe.info)

«Gernika 1937-2014 - Memoria dugulako/porque tenemos memoria...», de Ahaztuak 1936-1977 e Askapena (boltxe.info)
El fenómeno ideológico que motivo la guerra del 36, sigue movilizando las estructuras políticas imperialistas, sigue amenazando la soberanía de los pueblos y los intereses del pueblo trabajador, continúa atenazando las voluntades políticas alternativas y los gobiernos revolucionarios, y no cesa en enterrar la memoria de los luchadores y las luchadoras, que en nombre de su clase, su pueblo y la libertad, se enfrentaron valientemente a este proyecto criminal.

«A direita burguesa e fascista é inimiga das revoluções populares: Maduro, você lembra Kadhafi?», de Coordinadora Simón Bolívar via Diário Liberdade
Lembremos que a vontade de os povos para serem livre é condenado pelas grandes potências. Por isso jamais devemos confiar em nossos inimigos de classe, nem no império. Dai que seja necessário que a revolução seja conduzida pelos povos, os quais unicamente poderão superar o poderio militar e tecnológico do inimigo com organização popular e preparada e dotada para a guerra popular prolongada.

Concentraçons solidárias reivindicando a liberdade dos presos independentistas galegos

ASEH-Lisboa - OG, 04/24/2014 - 23:32
1- Reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras e prisioneiros políticos.
2- Fim da política de dispersom penitenciária.
3- Reagrupamento dos membros do coletivo numha prisom em território galego.
4- Cessamento do regime de reclusom nos centros de menores.
5- Melhora geral das condiçons de vida nas prisóns.
Nós, nas ruas do País CONCENTRAREMO-NOS em sinal de apoio mas desta volta contaremos com apoio internacional. Como mencionamos em dias anteriores a organizaçom internacionalista euskaldun Askapena adicou o 17 de Abril, Dia Internacional de apoio às/aos Presas/os Políticas/os, aos presos independentistas galegos e corsas/os. Deste jeito, também a sexta de fim de mês sairám às ruas de Euskal Herria com umha faixa de solidariedade com os presos galegos. / Locais e horas das concentrações: Ceivar

25 de Abril sempre!

ASEH-Lisboa - OG, 04/24/2014 - 23:31
Zeca Afonso - «Grândola, Vila Morena»Não largamos Abril e Maio é nosso!

Lisboa e Linda-a-Velha, dia 26: Solidariedade com os presos políticos bascos

ASEH-Lisboa - AZ, 04/23/2014 - 23:34
ANDONI ASKATU!
PROGRAMA
11h00-13h00: Concentração na Praça do Rossio (Lisboa)
17h00: Concertos na Academia Recreativa de Linda-a-Velha com as bandas:

Sermond's (País Basco) / Kilauea (País Basco)
Zipperness (Portugal) / Cegonhas (Portugal)

Mais informação sobre a iniciativa: aseh

Eleitos do País Basco Norte aderem à instituição nacional Udabiltza

ASEH-Lisboa - AZ, 04/23/2014 - 23:33
Autarcas e vereadores de várias localidades de Lapurdi, Nafarroa Beherea e Zuberoa deram na passada quinta-feira, 17, uma conferência de imprensa em Baiona para divulgar a sua integração na Udalbiltza e para anunciar a abertura de um processo de adesão entre os novos eleitos municipais de Ipar Euskal Herria. A presidente da instituição nacional basca, Mertxe Aizpurua, também esteve presente.

Os resultados das eleições municipais no País Basco Norte foram muito satisfatórios para as forças políticas que reconhecem a existência de Euskal Herria, e isso vai reforçar a presença da Udalbiltza no Norte do país. Até à data, integravam esta instituição nacional 62 eleitos de Lapurdi, Nafarroa Beherea e Zuberoa, 12 dos quais autarcas. Os novos eleitos mostraram-se confiantes que estes números vão aumentar na sequência do processo de adesão que agora se inicia.

Na conferência de imprensa participaram os autarcas Ruben Gomez (Liginaga) e Maite Etcheverria (Ozaze). E ainda os vereadores: Eneko Aldana-Douat (Ziburu), Filipe Aramendi (Urruña), Argitxu Hiriart-Urruty (Kanbo), Iker Elizalde (Hendaia), Nathalie Aicaguerre (Kanbo) e Nikolas Blain (Makea).

Vários autarcas que não puderam estar presentes expressaram a sua adesão à Udalbiltza: Monique Elgoyhen (Lexantzü), Daniel Oltzomendi (Izura-Azme), Bruno Carrère (Uztaritze), Léonie Agergarai (Muskildi), Johane Etxemendi (Hiruri) e Jean-Marc Bengotchea (Larraine). Também o fizeram os vereadores Pascal Lafitte (Donibane Lohizune) e Xabi Larre (Donibane Garazi).

Em nome de todos eles, falaram Argitxu Hiriart-Urruty, Ruben Gomez e Nikolas Blain. «Assim que tomarmos posse dos nossos cargos, iremos iniciar uma dinâmica de contactos para conseguir o máximo de adesão a esta instituição. No final deste processo, nos próximos meses vamos convidar todos os eleitos dos dois lados da muga para uma assembleia nacional da Udalbiltza, que se irá realizar em Ipar Euskal Herria».

Mertxe Aizpurua também interveio, tendo afirmado que, quando se realizou a assembleia para a reorganização da Udalbiltza, em Donostia, a 2 de Março de 2013, eram membros da instituição 1257 eleitos municipais; hoje, são 1425; «mais serão no final deste processo que agora se iniciou no Norte».

No final da sua intervenção, recordou as prioridades da Udalbiltza: promover o desenvolvimento territorial e a coesão socioeconómica, colaborar na estruturação nacional de Euskal Herria, ajudar a criar uma rede entre os municípios, promover a cidadania basca e projectar-se a nível internacional. / Mais informação: udalbiltza.info e kazeta.info

Ver também: Resolução da Udalbiltza: «Es el momento de las personas libres» [lida no Aberri Eguna, frente à Câmara Municipal da capital de Euskal Herria; na foto de baixo]

Ibon Iparragirre foi transferido para uma cadeia mais distante de casa

ASEH-Lisboa - AZ, 04/23/2014 - 23:32
Ontem, 22 de Abril, o preso ondarroara Ibon Iparragirre transferido da prisão de Basauri para a de Navalcarnero (Madrid), em cuja enfermaria se encontra actualmente. Depois de ser agredido duas vezes numa semana, ontem foi afastado de Euskal Herria, da sua terra natal e dos seus familiares, afirma a Etxerat. Na nota que emitiu, a associação recorda que Ibon tem uma doença grave e que esteve a cumprir pena em regime domiciliário até ser detido, a 7 de Março, e encarcerado em Basauri, «como consequência de uma decisão política». Desde então, o seu estado clínico agravou-se e a situação é alarmante.

A Etxerat sublinha que «nos últimos tempos aumentaram os ataques a presos políticos bascos gravemente doentes» e afirma que o Governo espanhol, querendo «mostrar uma imagem de força», «ataca os que se encontram em situação mais frágil; o que se passou com Ibon Iparragirre e com Josu Uribetxebarria é disso um claro exemplo».

Para a Etxerat, a «situação é inadmissível», com o Governo espanhol a agir «com crueldade e vingança» e «a dar a impressão de não ter digerido bem a sentença de 21 de Outubro» do Tribunal de Estrasburgo. / Ver: etxerat.info, Berria e Turrune!

CONCENTRAÇÃO PELA LIBERDADE DE JULEN E INTZA
Muita gente participou na concentração que se realizou no sábado passado, dia 19, frente à Câmara Municipal de Donibane Garazi (Nafarroa Beherea) em protesto contra as condenações dos gamartearras Intza Oxandabaratz e Julen Mujika. A mobilização foi convocada pelo Herrira, que considera inaceitável a sentença do Tribunal de Paris no actual contexto que se vive em Euskal Herria e tendo em conta os passos que têm sido dados. A coligação Euskal Herria Bai também aderiu à mobilização. / Fotografia: Sylvain Sencristo via kazeta.info

Acção em Barakaldo contra o desemprego, a precariedade e os acidentes laborais

ASEH-Lisboa - AZ, 04/23/2014 - 23:31
Colectivos sociais da região de Ezkerraldea (Bizkaia) e vários sindicatos convocaram uma mobilização contra o desemprego, a precariedade e os acidentes laborais. A iniciativa, que terá lugar na sexta-feira, dia 25, está relacionada com o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, que se comemora no dia 28 de Abril. O cordão humano realiza-se entre o Hospital Universitário de Cruzes e o bairro de Basatxu (Barakaldo), onde fica a sede do Instituto Basco de Segurança e Saúde Laborais - Osalan. Os organizadores da iniciativa recordaram que nos últimos três anos sete trabalhadores de Ezkerraldea [Margen Izquierda] morreram em acidentes laborais; dois em 2014.

Convocam os colectivos sociais Asambleas de Parad@s de Ezkerraldea y Zona Minera, Barakaldoko Gazte Asanblada, Berri-Otxoak, Centro Asesor de la Mujer «Argitan», Portugalete Eraikitzen, Santurtziko Herri Komitea, juntamente com os sindicatos ELA, LAB, ESK, STEE-EILAS, CNT e CGT. / Mais informação: boltxe.info e lahaine.org

Funcionários agrediram Ibon Iparragirre na cadeia de Basauri

ASEH-Lisboa - AT, 04/22/2014 - 23:34
Familiares de Ibon Iparragirre revelaram hoje que o preso de Ondarroa (Bizkaia) foi agredido na sua cela, no domingo, por dois funcionários da cadeia de Basauri. Referiram ainda que não lhe está a ser dada a medicação prescrita para evitar os ataques de epilepsia.

Familiares de Ibon Iparragirre denunciaram a agressão sofrida pelo preso no domingo passado por parte de dois funcionários da cadeia de Basauri. Segundo referiram, no domingo à noite, como os carcereiros tardavam em fechar a porta da cela, Iparragirre fechou-a ele mesmo. «Em seguida, os funcionários entraram na cela e cada qual lhe deu duas bofetadas». Ibon caiu e bateu com a cabeça no chão, mas sem se ferir.

Iparragirre comunicou a agressão à família por telefone. Nessa mesma chamada, disse-lhes que não está a receber a medicação prescrita para evitar os ataques de epilepsia, «mas outra cuja composição e efeitos ignora».

Para a família, esta agressão e a de sábado passado (Ibon foi agredido por um preso comum) «põem em evidência a crueldade do sistema penitenciário e a impunidade a que alguns funcionários prisionais estão habituados».

O ondarroarra, gravemente doente, foi detido a 7 de Março último e encarcerado em Basauri. / Ver: naiz.info e Berria [Na foto, manifestação em Ondarroa pela libertação de Ibon Iparragirre, realizada a 9 de Março]

O preso político basco Kepa Urra foi libertado

ASEH-Lisboa - AT, 04/22/2014 - 23:33
O preso político basco Kepa Urra Guridi (Aretxabaleta, Gipuzkoa) foi libertado ontem de manhã, depois de ter cumprido a pena a que foi condenado e de ter sofrido a política de dispersão. À saída da cadeia de Almeria esperava-o um grupo grande de familiares e amigos.

Kepa Urra foi detido pela Guarda Civil em 1992, sendo acusado de fazer parte da ETA. Torturado durante a detenção, foi levado em estado de choque para o Hospital de Basurto. Três guardas civis chegariam a ser condenados pelo Tribunal da Bizkaia em 1997, mas depois o Supremo Tribunal espanhol aligeirou substancialmente as penas (de forma a não terem de cumprir pena na cadeia). Mais tarde, foram indultados em Conselho de Ministros. / Ver: mondraberri.com [Ongi etorri!]

Concentração pelos direitos dos presos frente à sede do PP em Iruñea
Realizou-se no passado dia 14 a habitual concentração das segundas-feiras frente à sede do PP na capital navarra para reivindicar o direito dos presos políticos bascos a viver em Euskal Herria. Cinquenta pessoas participaram na iniciativa, exibindo faixas em que se lia «Euskal Preso eta Iheslariak Herrira», «La dispersión mata» e «Epaiketa politikorik ez / No a los juicios políticos». [Em relação a ontem, 21, ainda não sabemos se houve concentração.] / Ver: lahaine.org

Iñaki Gil de San Vicente: «El significado actual del 1 de Mayo»

ASEH-Lisboa - AT, 04/22/2014 - 23:32
Ahora, la burguesía necesita, por un lado, aumentar el desempleo y el paro permanente, el subempleo y la precarización extrema para aterrorizar a la clase trabajadora mundial, dividirla y enfrentarla con ella misma. [...]
El imperialismo activa todos sus medios militares, políticos, culturales, económicos… para aplicar su estrategia de explotación mundial en las mejores condiciones de superioridad global. Por esto, el internacionalismo obrero y popular, socialista, es el componente interno que une todas las luchas de las clases y pueblos oprimidos contra el enemigo común, sabiendo que el libre desarrollo de cada nación trabajadora es la base del desarrollo de la humanidad en su conjunto. (lahaine.org)

«Todo el poder a las mutuas, una nueva vuelta de tuerca contra nuestra salud», de LAB Sindikatua (boltxe.info)las nuevas competencias para las Mutuas supondrán un mayor poder de control hacia la clase trabajadora y, por lo tanto, está claro cómo el modelo actual, con sus constantes reformas, van hacia el desmantelamiento del sistema público: avanzamos hacia un modelo privado y economicista de la salud, en el que se les va a dar todo el poder a esas asociaciones de empresarios que son las mutuas, sin ningún control, sin perseguir el fraude en el registro de enfermedades profesionales y accidentes de trabajo. Todo ello bajo la excusa de la mejor gestión «privada» que la pública, pero ocultan los costes que la sociedad paga por sus altas tempranas, despidos de personas enfermas o secuelas evitables.

Sermond's: punk de Elorrio ao vivo em Linda-a-Velha

ASEH-Lisboa - AT, 04/22/2014 - 23:31
É uma das bandas bascas que se podem ouvir no próximo sábado, 26, na Academia Recreativa de Linda-a-Velha. Não faltes! [Eutsi, Jando!]

«Solidariedade com os presos políticos bascos. Andoni askatu!» - dia 26, em Lisboa

ASEH-Lisboa - AL, 04/21/2014 - 23:34
No actual momento político, em que não há qualquer actividade armada por parte do povo basco e se procura encetar caminhos para um processo de paz negociado que traga o direito à autodeterminação, faz ainda menos sentido que os Estados mantenham encarcerados centenas de independentistas.

No dia 26 de Abril, deslocam-se dezenas de bascos a Lisboa para exigir melhores condições prisionais para o independentista Andoni, encarcerado em Monsanto, e para exigir o regresso de todos os presos políticos bascos a suas casas.

Junta-te a nós e vamos acompanhá-los!
Para já, é este o programa de actividades:
11h00 - Praça do Rossio [Lisboa]: concentração com bascos e portugueses
17h00 - Academia Recreativa de Linda-a-Velha [Oeiras]: concertos com grupos bascos e portugueses

Juristas internacionais reclamam respeito pelos direitos dos presos bascos

ASEH-Lisboa - AL, 04/21/2014 - 23:33
O XVIII Congresso da Associação Internacional dos Juristas Democratas (IADL) aprovou uma moção na qual pedem o respeito pelos direitos dos presos bascos, o fim da política de dispersão, a libertação dos presos doentes, a de Arnaldo Otegi e dos prisioneiros condenados pela sua actividade política.

No congresso, que decorreu em Bruxelas de 15 a 19 de Abril, reuniram-se juristas dos cinco continentes, que abordaram questões relativas à paz, aos direitos humanos, às alterações climáticas, à ocupação da Palestina, aos processos de paz da Colômbia e das Filipinas, bem como à situação dos direitos humanos em Euskal Herria. Esteve presente no congresso uma delegação de juristas bascos da Associação Eskubideak.

Iratxe Urizar, membro desta associação, participou na comissão sobre «Justiça Democrática, Independência do Poder Judicial e Defesa», na qual, para além da experiência de Euskal Herria, se abordaram os casos curdo, das Filipinas, da Colômbia e da Turquia. A comissão denunciou o «assassinato» ou encarceramento dos advogados de presos políticos e o acosso e a perseguição dos defensores dos direitos humanos, exigindo ainda o direito a uma defesa legal. / Ver: naiz.info / Declaração sobre o processo de paz basco: respeito pelos direitos dos presos (ing)

Em Ondarroa prossegue a campanha pelo regresso a casa de Ibon Iparragirre
A plataforma Iparra Galdu Baik prossegue com a campanha pelo regresso a casa do preso político basco Ibon Iparragirre, que tem uma doença grave e que, por isso mesmo, já esteve a cumprir pena em regime domiciliário. Recentemente, uma juíza da AN espanhola decidiu que Ibon devia voltar para a cadeia e a condição clínica do preso tem-se agravado, tal como alerta a plataforma.
Para tentar reverter a situação, tem estado a decorrer uma recolha de assinaturas, que depois serão enviadas aos responsáveis penitenciários. Para além disso, no dia 13 e no sábado passado, 19, realizaram-se concentrações solidárias com o preso político, nas quais se exigiu o seu regresso a casa e o cumprimento da legislação. / Ver: Turrune!Turrune!

Andrés Paris: «Pretender desarmar unilateralmente a una de las partes en Colombia es ilusión de mago filibustero»

ASEH-Lisboa - AL, 04/21/2014 - 23:32
[Entrevista de Ida Garberi, responsável das páginas em italiano da Prensa Latina e Cubadebate, a Andrés Paris, porta-voz das FARC-EP]
Trabajamos por una paz concreta y las demoras se encuentran precisamente en la resistencia que oponen los gobernantes a hacer cambios y reformas. Quieren la paz a secas, sin dar nada para el pueblo. Por eso lo más concreto que puedo responderte es que seguirá la lucha en la mesa de dialogo, por arrancar condiciones dignas para nuestro pueblo que enaltezcan los 50 años de lucha de las FARC-EP próximos a cumplirse el 27 de mayo. Las FARC-EP no nació en Marquetalia para diluirse 50 años después en los brazos demagógicos de ofertas mochas de gobiernos neoliberales que están en pleno desarrollo de la etapa más salvaje de la explotación capitalista. (lahaine.org)

«El escuadrón de la muerte (vida y muerte de un actor)», de Maité CAMPILLO (boltxe.info)
Pues... las de siempre Sr. ministro, las de siempre! Unas doscientas pelotillas de goma por minuto, algún que otro botecito de ahumar higadillos, en fin, las de toda la vida desde que Franco se proclamó general! Las que caracterizan lo que somos, el estilo inculcado que llevamos dentro! Pues eso, palo y más palo, sencillo; palo duro, palo hierro, palo lagrimoso, palo tentetieso, palo, más palo

«Sem anos de solidão», de Bruno CARVALHO (manifesto74)
Eu podia contar-vos tantas coisas dessa terra que nunca pisei mas da qual tanto me falaram. Desse país com nome de conquistador onde os seus habitantes nunca se vergaram ante a opressão. Da Colômbia em que a oligarquia rasga as veias de um povo que nunca deixou de amar no meio da cólera de todos os tempos. Foi para arrancar essa terra e essa gente do silêncio podre que Gabriel García Márquez nos trouxe Macondo. É que Gabo nunca escondeu que pouco recorreu à imaginação. O que lhe custava era a invenção de recursos para fazer da realidade algo verosímil.

40 anos da Revolução de Abril: comemorações populares

ASEH-Lisboa - AL, 04/21/2014 - 23:31

Desfile em Lisboa / 15h00, Marquês de Pombal
Mais informação sobre iniciativas aqui.

Milhares de pessoas reclamam a independência de Euskal Herria em Iruñea

ASEH-Lisboa - IG, 04/20/2014 - 23:32
Apesar da chuva e dos controlos de estrada da Guarda Civil, milhares de pessoas - 25 mil de acordo com a organização - reclamaram hoje em Iruñea [Pamplona] a independência de Euskal Herria, participando na manifestação do Aberri Eguna [Dia da Pátria] convocada pela rede Independentistak e apoiada pelos partidos Sortu, EA, Aralar, Alternatiba e Abertzaleen Batasuna.
Os manifestantes partiram dos cinemas Golem gritando palavras de ordem a favor da independência e seguindo atrás de uma enorme ikurriña e de uma faixa com o lema «Independentzia». Mesmo no início da marcha, Garbiñe Bueno, porta-voz da Independentistak, disse aos meios de comunicação que «a independência é a única alternativa real de futuro capaz de dar resposta aos anseios e necessidades dos cidadãos bascos».

Precedidos por um forte dispositivo policial, os manifestantes, que levavam ikurriñas e bandeiras catalãs e escocesas, percorreram as ruas do centro da cidade até ao Passeio Sarasate, onde foram recebidos pelo Hino de Navarra. No acto político que se seguiu, num estrado colocado junto ao Monumento aos Foros, saudaram-se os participantes da ANC catalã e do SNP escocês que participaram na manifestação.

Em nome da rede Independentistak, Txutxi Ariznabarreta disse que, de acordo com alguns sectores, a independência «irá gerar conflito, divisão e ruptura na sociedade basca, porque em Euskal Herria há uma grande diversidade de identidades, linguística e cultural», apresentando os estados como «garantes do respeito por essa diversidade».

Para Ariznabarreta, essa afirmação é um «grande disparate», pois os estados espanhol e francês «jamais respeitaram ou irão respeitar a diversidade, negam a identidade nacional basca e impõem única e exclusivamente a espanhola e a francesa, a sua língua e a sua cultura, desprezando e atacando todas as outras».

Para este porta-voz da plataforma, só a independência garante o respeito por essa diversidade e, por essa razão, fez um apelo a todos os cidadãos bascos para que participem, «para lá das suas sensibilidades políticas e sentimentos concretos, na construção do Estado basco, por ser a melhor alternativa para todas e todos».

À manifestação e ao acto político, seguiu-se a chamada «Indefesta», que incluiu um almoço popular no pavilhão Anaitasuna e actuações musicais na Alde Zaharra [Parte Velha] da cidade. / Ver: naiz.info / Mais informação, entrevistas, fotos e vídeos: lahaine.org

Manifestação do Aberri Eguna 2014 [ahotsa.info]Fotos: Aberri Eguna em Iruñea (naiz.info)

Terminaram, em Altsasu, os encontros juvenis Burutakzio

ASEH-Lisboa - IG, 04/20/2014 - 23:31
Cerca de 1200 jovens participaram nos encontros Burutakzio, que decorreram em Altsasu (Nafarroa) desde sexta-feira até hoje - estreitando relações, apresentando ao colectivo trabalhos e contribuições de peso sobre diversas temáticas (como micropolítica, projecção externa, «desnormalização», criatividade ou guerrilha da comunicação).

Os membros das organizações juvenis Aitzina e Ernai felicitaram os jovens por terem levado a cabo os encontros, pese embora os obstáculos colocados, e afirmaram que, com imaginação e criação, vão prosseguir com a construção do país. Fizeram também um apelo à participação na manifestação nacional marcada para dia 3 de Maio em Bilbo. / Ver: topatu.info

A procissão do Santo Cristo dos Cortes Sociais saiu à rua

ASEH-Lisboa - L, 04/19/2014 - 23:34
As procissões da Semana Santa há vários dias que dão ambiente às ruas do país. Primeiro, houve a procissão do «Santísimo Coño de los Orgasmos» (pelo direito ao aborto); depois, o «Calvario de la Y vasca» (contra o TGV); na terça-feira foi a vez de os confrades e penitentes levarem o «Paso del Santo Cristo de los recortes sociales». A procissão partiu da Praça Bizkaia, onde ficam os escritórios dos responsáveis políticos do Serviço Basco de Emprego-Lanbide, e dirigiu-se para a Delegação do Governo de Lakua em Bilbo, para assim protestar contra as «políticas de cortes» no Lanbide.

Os colectivos convocantes denunciam, entre outras coisas:- a supressão da atribuição do RSI às pessoas que têm empregos precários com salários baixos; - a manutenção do corte de 7% nas verbas das prestações sociais; - as continuas campanhas de criminalização contra os beneficiários.

Participaram na mobilização membros de colectivos sociais da Bizkaia: Argilan, Asamblea Abierta en Defensa de las Prestaciones Sociales, Berri-Otxoak, Danok Lan, Elkartzen, Mujeres del Mundo, Posada de los Abrazos, R.B.U. Taldea (Renta Básica Universal) e SOS Racismo. / Ver: herrikolore.org

JORNADA DE GREVE NA CAPRABO CONTRA O TRABALHO AOS DOMINGOS E FERIADOS
No dia 20 de Março, a empresa Caprabo [em Iruñea] convocou a Comissão de Trabalhadores (CT) para lhe apresentar uma série de modificações. Com a desculpa da crise e da necessidade de competitividade, volta a tentar roubar direitos aos trabalhadores.

A empresa propôs alterações substanciais nas condições de trabalho e, face à recusa dos sindicatos em aceitá-las (porque não respeitam o estipulado no acordo colectivo de Comércio e Alimentação de Navarra), a empresa insistiu, impondo aos trabalhadores que passem a trabalhar de forma obrigatória (e não voluntariamente, como antes) nas tardes das festas de San Fermin ou nos domingos e feriados. Depois de vários plenários com o pessoal, a CT decidiu partir para a greve. / Sobre o historial de «pegas» da empresa e sobre as reivindicações dos trabalhadores, ver: ahotsa.info

Orriak

Subscribe to Askapena agregatzailea - EH Lagunak (pt)