Les campagnes des peuples sont faibles seulement quand le coeur de la femme n'y participe pas

Jose Martí

Vous êtes ici

Agrégateur de flux

Solidariedade em Arratia com os que estão em greve de fome em Huelva e Etxarri

ASEH-Lisboa - OG, 08/25/2016 - 22:34
Algumas pessoas levaram hoje a cabo uma iniciativa, na região de Arratia (Bizkaia), com o objectivo de expressarem a sua solidariedade com os que estão em greve de fome no cárcere de Huelva (Espanha) e na ikastola velha de Etxarri (Nafarroa).

Na cadeia de Huelva, os presos políticos bascos deram início a uma greve de fome rotativa para exigir a libertação dos presos doentes. Depois de Iker Olabarrieta ter estado sete dias em jejum, o testemunho passou para Xabi Garcia Gaztelu.

Em Etxarri, por seu lado, os ex-presos Joxean Kortadi e Fernando Lizeaga estão há 11 dias em greve de fome, também para reivindicar a libertação dos presos doentes. Hoje, juntou-se-lhes um outro ex-presos, Angel Erdozia, que estará em jejum até domingo à noite.

Para dar força as estas iniciativas e exigir a libertação dos presos doentes, o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) agendou para dia 3, às 19h00, uma manifestação em Etxarri. [Etxarriko plazan hasiko da.]

Na cadeia de Valence
Os presos políticos bascos Aletxu Zobaran e Ibon Goieaskoetxea estão no mitard [castigo] e em greve às comunicações desde o dia 8 de Agosto, no presídio de Valence (França). Com esta luta, pretendem denunciar a dispersão e o afastamento.

No Estado francês, os presos políticos bascos estão dispersos por 26 cadeias. Até agora, não havia presos bascos no presídio de Valence, que fica a 900 km de Euskal Herria. / Ver: amnistiAskatasuna 1 e 2

Organização-satélite processa Mekauen por dar a rua o nome de Pakito Arriaran

ASEH-Lisboa - OG, 08/25/2016 - 22:33
Na terça-feira, durante as festas de Bilbo, várias placas toponímicas da cidade foram cobertas com nomes de figuras bem conhecidas no âmbito da «luta internacionalista», incluindo o de Arriaran, militante da ETA e combatente em El Salvador. É um dos símbolos mais conhecidos e queridos da luta internacionalista basca em todo o mundo.

Arriaran, nascido em Arrasate em 1955, teve de fugir em 1978, primeiro para França e depois para a Venezuela – onde o grupo fascista BVE o tentou matar. Nos anos 80, integrou-se na guerrilha salvadorenha, fazendo jus ao ideário internacionalista. Num combate, foi atingido a tiro numa perna, sem gravidade; a ferida gangrenou e a perna teve de se ser amputada. Foi morto pelo Exército em Setembro de 1984.

As comparsas bilbaínas Mekauen e Askapeña todos os anos celebram o Dia Internacionalista com a colagem nas placas das ruas de vários nomes de pessoas que tomaram parte nas lutas internacionais. Na placa onde colaram o nome de Pakito Arriaran também afixaram o de Begoña Garcia, que, como ele, também foi morta em El Salvador. Outros nomes dados, na terça-feira, à toponímia foram Berta Cáceres, Angela Davis, Che Guevara, Doris Benegas, etc.

A organização da banda direita - que ficava bem enfiada numa moldura de quadro velho, juntamente com os delegados do Governo espanhol na CAB e em Nafarroa - anunciou que vai processar judicialmente a Mekauen, «para evitar a impunidade com que os terroristas são homenageados nas ruas», «sendo tratados como heróis». / Ver: argia

Luís Carapinha: «Mercosul na contra-maré»

ASEH-Lisboa - OG, 08/25/2016 - 22:32
Inegavelmente, está-se em presença de um acto arbitrário e ilegal que conforma uma tentativa de golpe institucional na organização fundada em 1991, da qual a Venezuela é membro de pleno direito desde 2012. Um acto que vem no seguimento da poderosa campanha contra a revolução bolivariana animada, nomeadamente, pelo secretário-geral da OEA, Almagro, que se repete em acusações de «falta de democracia e ausência de Estado de direito» na Venezuela e tem clamado, sem sucesso, pela aplicação da famigerada Carta Democrática Interamericana contra Caracas. (avante.pt)

«A pedofilia como arma de guerra», de José GOULÃO (Abril)
Resta notar que o caso de Omron é usado como propaganda de guerra a propósito da situação em Alepo, a segunda mais importante cidade síria, onde os mercenários invasores, ditos «rebeldes», sentem estar a perder o poder devido ao longo cerco imposto pelas tropas sírias, com apoio aéreo russo.

O episódio Omron coincide com um «aviso» lançado pelo Pentágono de que poderá atacar aviões russos se puserem em causa o seu pessoal no terreno – afinal há tropas norte-americanas na Síria – e depois de ter fracassado a armadilha da abertura de supostos «corredores humanitários» mediante os quais a «coligação ocidental» pretendia romper o cerco de Alepo e dar fuga aos terroristas.

António Santos: «5 razões para ir à Festa do Avante!»

ASEH-Lisboa - OG, 08/25/2016 - 22:31
Para quem nunca foi à Festa do Avante! aqui ficam cinco boas razões para o fazer este ano pela primeira vez:
[...]
A isto, acrescentemos outros 100 concertos distribuídos por uma dezena de palcos, uma feira do livro fértil de conversas e apresentações, um espaço dedicado à ciência com experiências, debates e exposições, um espaço dedicado a todos os desportos por onde passarão 15 mil atletas de 300 colectividades, clubes e associações. Some-se a dança, o parque infantil mais bonito do mundo, um teatro com 10 espectáculos; um cinema com 20 filmes portugueses; uma bienal de artes plásticas e tanto, tanto mais, que o melhor é mesmo consultar o programa aqui. (manifesto74)

Guggenheim culpado e instituições responsáveis por situação precária dos educadores

ASEH-Lisboa - AZ, 08/24/2016 - 22:34
Os educadores do Museu Guggenheim, em Bilbo, realizaram ontem o sexto dia de greve para lutar contra a precariedade e exigir estabilidade nos postos de trabalho.

Ao meio-dia, os trabalhadores realizaram uma concentração frente ao museu, que contou com o apoio da secretária-geral do LAB, Ainhoa Etxaide, e distribuíram panfletos a quem passava sobre as condições de trabalho que enfrentam.

Os 18 trabalhadores, subcontratados à empresa Manpower, voltaram a denunciar a atitude de bloqueio por parte do museu e das instituições no que respeita à busca de uma solução para a sua solução, e explicaram que não foram contactados desde o dia 3 de Agosto, quando ocorreu a última reunião.

Assim, estes funcionários anunciaram que vão prosseguir a luta, mantendo agendadas as paralisações para os dias 26 e 30 de Agosto e 1 de Setembro. Se não houver avanços neste processo - melhores salários e condições de trabalho, fim da precariedade -, os trabalhadores não excluem a hipótese de iniciarem uma greve por tempo indeterminado. No «museu da excelência, contrata-se low cost». / Ver: uriola.eus / Mais info: aseh

Junta Eleitoral de Gipuzkoa considera que Arnaldo Otegi não pode ser candidato

ASEH-Lisboa - AZ, 08/24/2016 - 22:33
A Junta Eleitoral guipuscoana pronunciou-se hoje sobre a candidatura de Arnaldo Otegi (EH Bildu) a lehendakari. Tal como a Procuradoria da AN espanhola, a Junta considera que Otegi não pode ser candidato.

A Junta Eleitoral Territorial de Gipuzkoa comunicou à representação legal do EH Bildu, o advogado Mikel Arreseigor, que o seu candidato a lehendakari, Arnaldo Otegi, «não pode ser eleito», na medida em que existe uma sentença firme da Audiência Nacional espanhola que o condena à pena de inabilitação para o exercício do direito ao sufrágio passivo e para o cargo público - de 4/09/2014 (cinco anos depois de Otegi ser encarcerado) a 28/02/2021.

A Procuradoria do tribunal de excepção espanhol tinha decidido, recentemente, que o dirigente independentista basco não podia ser candidato à Lehendakaritza ou Presidência do Governo da Comunidade Autónoma Basca, e o que a Junta Eleitoral guipuscoana hoje fez foi acatar a decisão espanhola.

O EH Bildu tem agora dois dias para recorrer da decisão da Junta, que na segunda-feira apresentará as listas definitivas para as eleições autonómicas de 25 de Setembro. A coligação soberanista pode ainda apelar para o Tribunal Constitucional espanhol, que terá de tomar uma decisão antes do início da campanha eleitoral, a 9 de Setembro.

Os fascistas espanhóis celebraram a decisão. / Ver: diagonalperiodico.net

Askapena e Etxerat: «Aniversario de la masacre del Filtro»

ASEH-Lisboa - AZ, 08/24/2016 - 22:32
Homenaje a Norma, a Norma como ejemplo para todos y todas. Ejemplo imprescindible que ha mostrado y sigue mostrándonos día a día a toda la militancia internacionalista lo que es un verdadero y el más digno homenaje: el rechazo consecuente de una falsa indemnización sin justicia y sin verdad; la resistencia día a día por mantener la dignidad de aquellas personas que ya no pueden luchar, pero hoy estarían aquí, como su hijo; la solidaridad con todas las personas y organizaciones que siguen resistiéndose al fascismo, explícito o escondido tras cualquiera de sus sucios disfraces; el trabajo cotidiano por la verdad, contra la impunidad y por la construcción de un mundo mejor, la lucha por la libertad de quienes están presos por luchar... (BorrokagaraiaDa e askapena.org)

Sobre o «Massacre do Filtro», que teve lugar em Montevideu (Uruguai), a 24 de Agosto de 1994, mais informação aqui.

Sendoa Jurado Garcia: «Gabeziak / Carencias» (eus/cas)

ASEH-Lisboa - AZ, 08/24/2016 - 22:31
Pero todo esto, es decir, que un preso enfermo tenga que empezar una huelga de hambre, que en las cárceles tomen los compromisos que deberíamos tomar fuera y que después de pasar tantos años en prisión sean unos ex presos los que realicen un gesto de solidaridad tan duro, es algo que debería darnos para reflexionar y hacer autocrítica a tod@s. Esta oleada de dignidad que nos llega desde dentro de la cárcel es el reflejo de las carencias del movimiento popular y en general de todo un pueblo para poner en marcha dinámicas efectivas. Los movimientos de la calle han tomado un ritmo demasiado suave y esto nos lleva a la normalización de la injusticia, dejando indefenso al eslabón más débil de la cadena. A medida que el conflicto se ha ido enfriando nos hemos ido acomodando hasta parecer que no tenemos ni sangre en las venas, y eso nos puede acarrear graves consecuencias. (lahaine.org)

«El expediente del banquero que pide una "invasión militar a Venezuela"» (Misión Verdad)
[De Franco Vielma] Oscar García Mendoza, presidente del Banco Venezolano de Crédito (BVC) y máximo accionista de esa institución financiera, comentó recientemente por su cuenta personal Twitter: «Sólo la intervención de una fuerza militar extranjera será capaz de comenzar a poner orden en Venezuela».

Adornó más todavía su comentario agregando: «Para los 'políticamente correctos': Por enésima vez. Hasta q (sic) no tengamos una intervención militar extranjera Venezuela no comenzará a cambiar».

Juanjo Basterra: «Empresarios desalmados»

ASEH-Lisboa - AT, 08/23/2016 - 22:34
-Horas extraordinarias: Según la Encuesta de Población Activa (EPA) en el segundo trimestre de 2016 los aumentos de jornada no pagadas por las empresas representaron un 53,7% frente al 39,6% de 2008.

-Salarios: La variación salarial media pactada en convenio hasta julio se sitúa en el 1,11%, casi tres veces menos de lo que crece la economía por ahora. BBVA señala que “se espera que el crecimiento alcance el 3,1% en promedio este año y el 2,3% el siguiente” en Estado español.

-Contratos: El 50% de los contratos que se hacen en Hego Euskal Heria no dura más de un mes y que el 40% son a tiempo parcial. De estos, casi uno de cada tres son contratos por menos de 10 horas.

Además, los contratos indefinidos a tiempo parcial representan el 32% y los temporales a tiempo parcial suponen el 38%.

La realidad del mercado laboral vasco indica que hasta julio se realizaron 181.585 contratos más que en el mismo periodo de 2008, un 33,49% más, pero fueron 5.770 los contratos fijos menos, un 11% menos. El 93,32% de los contratos entre enero y julio de este año en Hego Euskal Herria son temporales/precarios. Es un porcentaje casi similar a lo que pasaba en 2008, el problema más importante se encuentra en que se ha destruido empleo de forma fácil y barata y se está sustituyendo por empleo precario y con salarios reducidos. (lahaine.org)

«Forças israelitas torturam menores palestinianos nos interrogatórios»

ASEH-Lisboa - AT, 08/23/2016 - 22:33
Adolescentes palestinianos em prisões e centros de detenção israelitas afirmam ter sido pontapeados e esbofeteados, submetidos a tortura e a abusos verbais pelas forças israelitas durante a detenção e os interrogatórios.

Estas revelações foram feitas por Hiba Masalha, um advogado do Comité Palestiniano dos Assuntos dos Presos que visitou recentemente vários jovens palestinianos sob custódia israelita. O conjunto de testemunhos que reuniu constitui o relatório mais recente dos vários que, ao longo dos anos, recolhem casos bem documentados de abusos e maus-tratos a crianças e adolescentes palestinianos por forças israelitas, noticia a agência Ma'an. (Abril)

«Bolívia inaugurou Escola militar anti-imperialista, junto com Venezuela e Nicarágua» (PCB)
A instituição funcionará na localidade de Santa Rosa de Paquío, onde antes existia um centro de treinamento para as missões de paz da ONU e levará o nome do ex-presidente militar Juan José Torres (1970-1971), que expulsou o Corpo de Paz dos Estados Unidos e foi próximo dos movimentos de esquerda bolivianos.

A iniciativa de criar a escola foi lançada em 2015 pelo presidente Evo Morales, que lembrou que antes existia a Escola das Américas, uma instituição militar operada pelos Estados Unidos, onde os militares latino-americanos eram ideologizados.
Nas palavras do mandatário boliviano, a escola anti-imperialista será um centro para revisar a história de como os países da América Latina e do mundo têm sido submetidos. «É nossa obrigação criar esta escola que recupere ideologicamente nossa identidade».

«Fidel Castro: 90 anos de vida e luta em registros inesquecíveis»

ASEH-Lisboa - AT, 08/23/2016 - 22:32
Fidel Castro é protagonista de momentos marcantes da história mundial; veja galeria de imagens dos 90 anos de vida e luta do líder da Revolução Cubana

Nascido em Birán, pequena localidade no leste de Cuba, em 13 de agosto de 1926, Fidel Castro completa 90 anos neste sábado. Protagonista de momentos marcantes da história mundial, Fidel figura em imagens inesquecíveis, que registram a entrada em Havana após a vitória da Revolução Cubana, em 8 de janeiro de 1959, ou o encontro com o ativista norte-americano Malcolm X em um hotel no Harlem, em Nova York, em 11 de setembro de 1960.

Em celebração aos 90 anos do líder da Revolução Cubana, Opera Mundi traz alguns destes registros em uma galeria de imagens da vida e da luta de Fidel Castro, dentro e fora de Cuba. Veja as imagens a seguir: / VER: Opera Mundi

Criolo - «Vasilhame»

ASEH-Lisboa - AT, 08/23/2016 - 22:31
De São Paulo (SP), Brasil, para a Festa!

Manifestações pelo repatriamento e a amnistia sexta e sábado em Bilbo

ASEH-Lisboa - AL, 08/22/2016 - 22:34
Na sexta-feira, 26, dia grande da Aste Nagusia bilbaína, uma manifestação convocada por um grupo de ex-presos e refugiados parte às 12h30 da Praça Elíptica para reclamar o regresso a casa dos presos e dos exilados bascos. No dia seguinte, tem início às 19h00, na Praça Zabalburu, a manifestação que o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) convocou em defesa da amnistia.

Numa nota, o MpA explica que a organização desta manifestação, no dia 27, tal como da que ocorreu em Donostia no dia 13, surge na sequência de uma reflexão. Por um lado, chegaram à conclusão de que existia um vazio importante em torno da luta em prol dos perseguidos políticos e que essa situação facilitava a despolitização destes militantes políticos, em prejuízo do processo de libertação.

Por outro lado, o MpA entende que as razões que fundamentaram a luta dos presos políticos bascos (ainda estão nas cadeias quase 400), ou seja, a opressão nacional e social de Euskal Herria, continuam vigentes. Com as inúmeras mobilizações e iniciativas que tem levado a cabo, o MpA crê ter actualizado e recuperado a questão da amnistia, que voltou a ter lugar no seio dos debates populares.

Abuztuak 27: Preso gaixoak kalera! Amnistia osoa!

Dia 26, pelo regresso dos presos a casa
Na sexta-feira, realiza-se a manifestação convocada por um grupo de ex-presos e refugiados, que, tal como ocorreu em Donostia e em Gasteiz, tem como lema «Amnistiaren norabidean presoak eta iheslariak etxera». Na apresentação, que decorreu dia 16, defendeu-se que «nas festas da Aste Nagusia é preciso reivindicar o regresso a casa dos presos e dos exilados» e afirmou-se que «é hora de intensificar o derrube das estruturas que sustentam as leis de excepção». / Ver: aseh e Berria

Boltxe na «Herri Azoka» das festas de Bilbo, com novidades editoriais

ASEH-Lisboa - AL, 08/22/2016 - 22:33
O Boltxe está presente na Herri Azoka [feira popular] da Aste Nagusia [semana grande] de Bilbo, todos os dias, das 17h00 às 20h00.

Este ano, o colectivo comunista basco apresenta duas novidades editoriais. Uma é o livro que editou conjuntamente com a editorial venezuelana Trinchera ¿Por qué socialismo? Reactivando un debate, da autoria de Jorge Beinstein, Albert Einstein, Iñaki Gil de San Vicente e Chris Gilbert.

A outra é obra El factor Fidel. El pensamiento político del Comandante, da autoria de Katrien Demuynck e Marc Vandepitte, editada pela Boltxe Liburuak. / Ver: boltxe.eus

Prabhat Patnaik: «A lógica do capitalismo neoliberal»

ASEH-Lisboa - AL, 08/22/2016 - 22:32
Os dias tranquilos do neoliberalismo estão acabados, o que portanto traz para a agenda histórica uma luta pela sua transcendência. Isto pode ser uma luta combinada, dos trabalhadores que têm sido suas vítimas, e de segmentos da classe média que até agora têm sido seus beneficiários mas actualmente estão à beira de tempos árduos. Mas precisamente por causa desta possibilidade, o capitalismo neoliberal também promoverá tendências fascistas e semi-fascistas a fim de dividir o povo. Reagir a estas tendências é o meio pelo qual a esquerda e as forças democráticas podem avançar. (resistir.info)

«La hoja de ruta de Hillary, la reina de la guerra», de Pepe ESCOBAR (lahaine.org)
Teherán tiene motivos, en abundancia, para estar en alerta roja si la Comandante Hillary tiene en sus manos los códigos nucleares (¿cómo puede alguien pensar que es menos temible que Trump?) La Dominatrix actuará como una fiel servidora de la alianza de Israel y Arabia Saudita. La hoja de ruta esta lista.

Andam festas por Bilbau

ASEH-Lisboa - AL, 08/22/2016 - 22:31
2009ko Bilboko Aste Nagusian albokariak
Albokaris nas ruas. Lembrança de 2009. Bilbo, Bizkaia, EH.

2016ko Bilboko Aste Nagusia / Semana Grande bilbaína de 2016
Kaskagorri – Bilboko Gazte Konpartsako txosna
Pavilhão da Comparsa da Juventude de Bilbo – Kaskagorri

Os educadores do Museu Guggenheim continuam em luta

ASEH-Lisboa - IG, 08/21/2016 - 22:34
Os 18 educadores e orientadores de sala do Museu Guggenheim, subcontratados à empresa Manpower, realizaram na quinta-feira, 18, o quinto dos oito dias de greve que convocaram para lutar contra a precariedade, exigir estabilidade nos posto de trabalho e melhorias das suas condições laborais.

No lado de fora do museu, vários educadores cobriram-se com lençóis, como se fossem o «fantasma da precariedade». Depois, explicaram que não houve qualquer avanço na situação e que a empresa não os contactou desde o dia 30 de Julho, quando teve lugar a última reunião.

Na quarta-feira passada, enviaram um e-mail a uma responsável dos recursos humanos do museu, que, em resposta, «não se comprometeu a nada». Assim, estes trabalhadores decidiram prosseguir a luta, mantendo agendadas novas paralisações para os próximos dias 23, 26 e 30 de Agosto e 1 de Setembro.

Mantêm a mesma disposição para dialogar e desconvocar as greves que já haviam referido noutras ocasiões, desde que existam garantias reais de que as suas reivindicações serão respeitadas, nomeadamente no que refere à estabilidade nos postos de trabalho (o contrato de serviço da Manpower, iniciado em 2014, termina a 30 de Setembro).

Também exigem melhorias nas suas condições de trabalho, uma vez que desempenham funções «com uma alta qualificação profissional» mas que não são pagas como tal. Por isso, acusam «o museu da excelência de contratar low cost». Se continuar a existir um diálogo de surdos, ponderam avançar para uma greve por tempo indeterminado. / Ver: eitb.eus

Alfon: «Carta de Alfon desde la prisión de Navalcarnero»

ASEH-Lisboa - IG, 08/21/2016 - 22:33
Retrocesos sin embargo, que pueden ser reconvertidos en avances con algunos conceptos que puestos en práctica han demostrado dar grandes beneficios en los distintos frentes del movimiento obrero y campesino, conceptos como la unidad de acción, la solidaridad, el internacionalismo o el compromiso de la militancia, todo esto, junto con la puesta en marcha de acciones y actos que parten de ideas surgidas con el análisis de situaciones adversas a las que hemos de enfrentarnos constantemente los que ocupamos los escalones inferiores en una maldita pirámide social, dará sus frutos. (lahaine.org)

«El relato del "narcorrégimen" y la pugna transnacional por recursos venezolanos»

ASEH-Lisboa - IG, 08/21/2016 - 22:32
[De Franco Vielma] Venezuela está inmersa en una trama geopolítica como pocas veces se ha conocido por país alguno en este lado del mundo. Los intereses incalculables, inestimables, que se ciernen sobre Venezuela son expresión de una situación-contexto mucho más intrincada pero no menos visible: el mundo es un espacio con recursos cautivos en disputa por las potencias. (misionverdad.com)

«Guerras e crises na África de hoje», de Carlos LOPES PEREIRA (avante.pt)
Não são boas as notícias que chegam de África. Persistem guerras em diferentes países e surgem ou prolongam-se crises políticas noutros.
As actuais guerras africanas têm um traço comum: a ingerência estrangeira. É velha a estratégia imperialista de fomentar conflitos armados e divisões étnicas e religiosas para melhor dominar os povos e explorar as suas riquezas.

«Solidariedade com a Palestina presente em Celtic Park»

ASEH-Lisboa - IG, 08/21/2016 - 22:31
A mobilização para a acção solidária com a luta do povo palestiniano, demonstrativa da exigência do reconhecimento do Estado palestiniano e do repúdio pela opressão diária, o apartheid, o colonialismo que sofrem às mãos dos israelitas, foi organizada antecipadamente nas redes sociais, sob o lema «Fly the flag for Palestine, for Celtic, for Justice» [«Mostra uma bandeira pela Palestina, pelo Celtic, pela Justiça»].
[...]
Os apoiantes do Celtic tinham sido avisados pelas autoridades escocesas que, se exibissem bandeiras da Palestina dentro do estádio, podiam ser detidos. Mas a solidariedade com o povo palestiniano falou mais alto e, tal como noutras ocasiões, os adeptos deste clube escocês, fundado por imigrantes irlandeses e com uma identidade muito ligada à luta de libertação do povo irlandês, mantiveram-se firmes perante as ameaças. (Abril)

Pages

S'abonner à Askapena agrégateur